CAMARADAS

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Nassif: quando a relevância sobe à cabeça

A vitória de Dilma Rousseff é resultado de muito esforço coletivo. 

Tem especial relevância a contribuição dada por muitos comunicadores progressistas e de esquerda, entre eles blogueiros como Luís Nassif.

Cada blogueiro tem seu estilo e sua linha. 

Nassif, por exemplo, é capaz de perpetrar artigos como A perda de relevância do PT, divulgado no dia 16 de dezembro de 2014 pela Carta Capital.

O artigo de Nassif está reproduzido na íntegra ao final deste e está também disponível no endereço  http://bit.ly/1AgE9oq

O artigo começa ao estilo de 9 de cada 10 artigos publicados pela grande imprensa a respeito do PT: falando de Lula.

Diz Nassif: "Lula tem dois enormes desafios pela frente. O mais distante são as eleições de 2018; o mais premente, é dar relevância ao PT."

Claro que alguém que concebe a política desta maneira, como extensão dos desafios de um indivíduo, seja lá quem for, só pode mesmo concluir que o Partido é irrelevante.

O papel de Lula é com certeza relevante. Mas vencer as eleições de 2018 e dar protagonismo ao PT são tarefas coletivas. Quem não percebe isto e quem não age em consonância com isto, contribui para nossa derrota, mesmo que pretenda o oposto disto.

Segundo Nassif, "nos últimos anos, o PT tornou-se um partido insignificante. Tem apenas um porta-voz, o presidente Rui Falcão, que em geral não se pronuncia em momentos cruciais. Intelectuais, personalidades públicas, juristas simpatizantes surgem em seu apoio quando a democracia é ameaçada, mas há muito deixaram de ter voz ativa no partido".

Além de bela, como é gozada esta nossa vida. 

Não há na história brasileira um Partido com o protagonismo alcançado pelo PT. Nos últimos 25 anos, polarizamos todas as disputas presidenciais. Nos últimos doze anos, vencemos todas as eleições presidenciais. Qual o critério para nos considerar um partido "insignificante"?

O PT tem defeitos? Certamente. Aliás, como dirigente do PT entre 1997 e 2013, sou responsável por parte destes defeitos. Mas entre reconhecer nossos defeitos e dizer que o PT "tornou-se um partido insignificante", vai uma distância enorme.

Sei que atacar a política, os políticos, os partidos e o PT virou o esporte predileto de muitos jornalistas, comentaristas e "analistas" da política nacional, especialmente os de coração tucano. Mas até neste esporte, é preciso um pouco de seriedade.

Não é sério, por exemplo, atribuir a uma pessoa a solução dos problemas do PT. Pelas mesmas razões, tampouco é sério atribuir a uma pessoa os problemas do PT.

Segundo Nassif, o "isolamento" do PT "tem muito a ver com a personalidade de Rui Falcão". E para criticar Falcão, Nassif faz um paralelo entre o que teria ocorrido no Sindicato dos Jornalistas nos anos 1980 e o que está ocorrendo no PT atualmente.

Sei dos Sindicato dos Jornalistas mais ou menos o mesmo que Nassif demonstra saber sobre o PT: muito pouco ou quase nada. 

Exemplo: quem conhece um pouco o PT sabe que viajar o país não "consolida estrutura de influência": trata-se apenas uma necessidade incontornável em um Partido nacional e diversificado. 

Outro exemplo: não é o presidente do Partido quem define a composição da direção partidária. 

E se "grandes nomes" foram rumo ao governo, isto é devido à concepção dominante em certos meios, segundo a qual o governo é mais "significante" do que o Partido.

Nassif, noves fora o desconhecimento acerca do PT e algum problema mal resolvido com Falcão, comete uma inaceitável fulanização dos problemas do petismo. 

Nossos problemas financeiros, organizativos, comunicacionais, democráticos e éticos não tem "muito a ver" com a "personalidade" de Rui Falcão, nem com as "personalidades" de Dirceu, Genoíno, Tarso Genro, Ricardo Berzoini, Marco Aurélio Garcia, Zé Eduardo Dutra, Lula e Dilma.

Claro que cada uma destas "personalidades" tem seu papel na nossa história, inclusive nos nossos problemas. 

Mas os grandes problemas do PT derivam da política, mais especialmente da estratégia e do respectivo modelo de organização e funcionamento adotado pelo Partido desde 1995. 

Se não modificarmos esta estratégia e o derivado padrão de organização e funcionamento, não haverá "personalidade" que nos salve.

Resumidamente, trata-se de retomar -- não apenas como discurso, mas como prática -- uma orientação que vem desde os anos 1980: para transformar o Brasil, é preciso combinar ação institucional, mobilização social e organização partidária, operando uma verdadeira “revolução cultural” no modo de fazer politica das classes trabalhadoras.

Um detalhamento destes problemas estratégicos pode ser lido em http://www.valterpomar.blogspot.com.br/2014/11/carta-sobre-o-pt-o-governo-e-assuntos.html

Outro texto que trata destes problemas está em http://www.valterpomar.blogspot.com.br/2014/10/comemoracao-e-luta.html

Claro que Nassif não é o único a desconsiderar a estratégia como a causa de fundo dos problemas do PT. 

Este erro é cometido até mesmo por gente muito diferente de Nassif. Lula, por exemplo, no discurso que fez no ato de lançamento do Congresso do PT, depositou nas "cotas" de jovens, negros/as e mulheres a responsabilidade por problemas que são essencialmente de outra natureza.

Nassif, entretanto, incorre em algo mil vezes pior do que a desinformação e uma perspectiva incorreta.

O problema principal é que, para Nassif, tudo já era: "O PT envelheceu, perdeu o viço dos movimentos sociais, a vitalidade intelectual, a dimensão pública. E, especialmente junto à juventude, a Lava Jato terá um poder corrosivo mil vezes maior do que a AP 470. Fica o País órfão de partidos, entre o PT, que perdeu a dimensão do nacional, e o PSDB, que tornou-se um partido golpista, com suas principais lideranças se permitindo ser coadjuvantes de revoltados online. E sem Marina, que continua chorando pelos cantos como uma hárpia autocompadecida".

O mais desolador em Nassif é a desesperança.

Desesperança compartilhada, aliás, por muitos que sonhavam numa aliança entre PT e PSDB.

Desesperança que as vezes resulta em textos alarmistas sobre o golpismo da direita, que desembocam em textos alarmantes justificando concessões à direita golpista.

A este respeito, ler os dois textos abaixo: 

http://jornalggn.com.br/noticia/armado-por-toffoli-e-gilmar-ja-esta-em-curso-o-golpe-sem-impeachment

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/161992/Nassif-Dilma-acerta-na-largada-do-segundo-mandato.htm

Quem insiste em manter uma estratégia de conciliação, fica mesmo sem muita alternativa para explicar o que está dando de errado, salvo por exemplo colocar a culpa em pessoas.

Não há dúvida: os problemas do mundo, do Brasil e do PT são imensos. Mas é possível enfrentá-los e resolvê-los, sob três condições. 

A primeira condição é buscar a solução não em indivíduos geniais, mas no coletivo, mais exatamente na conscientização, organização e mobilização da classe trabalhadora.

A segunda condição é buscar a solução não na conciliação, mas no enfrentamento com aqueles setores  políticos e sociais contrários à soberania. à democracia e à igualdade.

A terceira condição é não perder nem a esperança, nem a cabeça e muito menos o bom humor.  Em nome disto, aliás, peço licença para concluir citando uma "piada interna": contra quase tudo, contra quase todos e contra a maioria de nós mesmos, venceremos.




xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Política

Opinião

A perda de relevância do PT

O PT envelheceu, perdeu o viço dos movimentos sociais, a vitalidade intelectual, a dimensão pública. E, junto à juventude, a Lava Jato terá um poder corrosivo mil vezes maior do que a AP 470
por Luis Nassif — publicado 16/12/2014 06:20


Lula tem dois enormes desafios pela frente. O mais distante são as eleições de 2018; o mais premente, é dar relevância ao PT.

A proposta de criação de um gabinete de crise ― composto, entre outros, por Gilberto Carvalho, Marco Aurélio Garcia, Luiz Dulci e Humberto Costa ― não se refere propriamente à crise política atual, mas ao próprio partido.

Nos últimos anos, o PT tornou-se um partido insignificante. Tem apenas um porta-voz, o presidente Rui Falcão, que em geral não se pronuncia em momentos cruciais. Intelectuais, personalidades públicas, juristas simpatizantes surgem em seu apoio quando a democracia é ameaçada, mas há muito deixaram de ter voz ativa no partido.

Esse isolamento tem muito a ver com a personalidade de Rui Falcão. Repete-se, em escala nacional, o mesmo que ocorreu com o Sindicato dos Jornalistas nos anos 80.

O Sindicato entrou na década com enorme peso devido à gestão Audálio Dantas e mesmo a de David de Moraes, que presidiu-o na infausta greve de 1979.

Na sucessão de David, montou-se uma frente composta por membros do recém-criado Partido dos Trabalhadores com a esquerda independente contra o Partidão. A frente elegeu Gabriel Romeiro e a chapa contava com diversos jornalistas de peso, mas não alinhados.

Rui era a liderança de fato por trás de Romeiro. E, durante todo o primeiro ano, seu trabalho foi o de ocupar todos os espaços do sindicato, focado muito mais em reduzir o espaço dos aliados do que dos adversários.

Ao final de um ano, todos os independentes ― que nunca haviam feito da política sua missão principal ― afastaram-se. Ficaram Rui e os chamados "tarefeiros" ― a jovem rapaziada pau para toda obra. Com a saída dos independentes, o Sindicato perdeu expressão e tornou-se desinteressante para Rui que, logo, depois de tê-lo utilizado como escada, se afastou.

Nunca mais o Sindicato foi sombra da expressão que havia adquirido na década anterior.

No PT, repetiu-se essa estranha autofagia. Primeiro, Rui tratou de viajar o País tentando consolidar uma estrutura de influência em cima da herança de José Dirceu ― com quem rompeu.

Quando sentiu o terreno consolidado, fechou-se, não deu espaço para mais ninguém e tratou de ocupar todos os espaços internos, deixando o partido do tamanho do seu presidente. As personalidades ligadas ao partido foram se afastando gradativamente. Grandes nomes já haviam saído rumo ao governo.

Aliás, essa autofagia ficou nítida nas disputas com Fernando Pimentel durante a campanha de 2010.

O PT assistiu inerte à eclosão das manifestações de junho de 2013. Perdeu o bonde dos novos movimentos, pois poderiam gerar novas lideranças, colocando em risco o predomínio dos jurássicos. Não se apropriou do intenso trabalho intelectual da Fundação Perseu Abramo, pois dali poderiam emergir novos rumos e, com eles, novas lideranças.

Agora, segundo notícias de ontem, a primeira missão do tal gabinete de crise será correr atrás da nova geração de movimentos que emergiu das manifestações de 2013.

Vai chegar tarde. O PT envelheceu, perdeu o viço dos movimentos sociais, a vitalidade intelectual, a dimensão pública. E, especialmente junto à juventude, a Lava Jato terá um poder corrosivo mil vezes maior do que a AP 470.

Fica o País órfão de partidos, entre o PT, que perdeu a dimensão do nacional, e o PSDB, que tornou-se um partido golpista, com suas principais lideranças se permitindo ser coadjuvantes de revoltados online. E sem Marina, que continua chorando pelos cantos como uma hárpia autocompadecida.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Perguntas e respostas sobre o relatório da CNV

Entrevista concedida à jornalista Lucia Rodrigues, que está escrevendo um artigo para a revista Caros Amigos.

  
Queria que vc comentasse o que achou do relatório da CNV, apontado pontos positivos e eventuais falhas.
De maneira geral, achei o relatório positivo.

E qual é a sua expectativa em relação a esse texto. 
Em relação ao texto não tenho expectativa nenhuma.
O que eu pretendo fazer é pressionar para que o governo, o parlamento e a Justiça implementem as medidas sugeridas.

Considera que possa levar os torturadores para a cadeia. 
Considero que é possível fazer isto, se houver pressão social e disposição das instituições.

Considera importante o relatório trazer o nome dos torturadores e dos ex-presidentes que deram o suporte para as torturas?
Considero essencial que se tenha citado os ditadores, pois a tortura, os desaparecimentos, a ocultação de cadáver, os assassinatos foram uma política de Estado e portanto os ditadores são diretamente responsáveis e devem ser punidos.

Queria que vc comentasse também a importância da Comissão da Verdade para o avanço da democracia, apesar de suas limitações. 
Meu ângulo é o seguinte: o Brasil precisa de forças armadas e policiais. Mas estas forças armadas e policiais precisam estar sob controle. E para que elas estejam sob controle agora e no futuro, é preciso deixar claro que certas atitudes não serão toleradas. E só há um jeito de deixar isto claro: punindo exemplarmente os crimes cometidos durante este grande crime que foi a ditadura. 

Queria que abordasse a reação dos militares ao relatório. Vc considera que há algum risco de retaliação? 
Os militares da reserva e parcela da cúpula militar da ativa já vem reagindo, há anos. Portanto, não se trata de um risco, se trata de uma ação que já está em curso. Como cidadãos, eles podem fazer o que a lei permite. Mas enquanto militares, servidores públicos submetidos a uma legislação específica, quem reagir de forma ilegal deve ser tratado como a lei prevê.

A democracia corre risco? 
A democracia corre risco, se os que defendem as liberdades democráticas não conseguirem punir exemplarmente os que cometeram crimes durante a ditadura militar.

Como vc viu aquele incidente do velho tomando de assalto o microfone pra defender a ditadura durante o evento na OAB. 
Previsível e patético.

Vc acha que a publicação do relatório vai acuar a extrema-direita que ta indo pra rua pedir a volta dos milicos. 
A extrema-direita não será acuada por um relatório. A extrema-direita será acuada por ações políticas de massa, por medidas judiciais, por medidas educacionais e de comunicação.

Também queria que vc falasse como viu o choro da Dilma e como ela pode ajudar a passar essa história a limpo. 
Quem viveu, lutou e sofreu naquela época tem todo o direito de se emocionar. O que espero da presidenta Dilma é que coloque o governo para cumprir a parte que lhe cabe das recomendações do relatório da CNV.

Vc considera que o ministério público, a defensoria e a magistratura vão levar adiante as recomendações do texto. 
Se houver pressão social, sim, vão levar adiante.

Como viu a recomendação para o fim da PM? 
As polícias militares são uma das muitas heranças malditas da ditadura militar.

Dá pra dizer que o Brasil entrou no rol dos países que querem colocar seus algozes na cadeia? 
Dá para dizer que estamos mais perto disto.

Para a ONU, os crimes não podem ficar impunes, mas o Brasil não acatou a sentença da Corte Interamericana de DH sobre o Araguaia até hoje. 
Esta é uma das mudanças de atitude que espero do segundo mandato da presidenta Dilma. Não dá para apoiar as críticas e condenações de outros países, na área dos direitos humanos, e ao mesmo tempo adotar esta postura.

Queria que comentasse tb a importância da divulgação do nome das empresas envolvidas na repressão. 
A ditadura foi militar e os militares envolvidos, assim como as forças armadas institucionalmente, devem ser responsabilizadas. Mas é evidente que o grande empresariado foi o maior beneficiado pelo golpe e pela ditadura. Assim, é muito positivo mostrar quem se envolveu diretamente, embora o conjunto do grande capital tenha se beneficiado.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Roteiro de curso

Socialismo: história, teoria e estratégias no mundo e no Brasil

Dia 12 de dezembro de 2014, manhã

Apresentação da proposta do curso como um todo.
Apresentação do professor e dos participantes.
Informações organizativas.

Cada um dos participantes terá 10 minutos para responder por escrito e individualmente apenas uma das seguintes questões:

-por quais motivos eu sou socialista?
-por quais motivos eu não sou socialista?
-por quais motivos eu não sei se sou ou não socialista?

Depois dos 10 minutos, os participantes serão divididos em três grupos de igual tamanho.

O grupo 1 vai ler A Utopia de Thomas Morus.

O grupo 2 vai ler O Manifesto do Partido Comunista.

O grupo 3 vai ler o Manifesto da Associação Internacional dos Trabalhadores.

A leitura deve preferencialmente ser feita em roda, coletivamente, em voz alta.

As 11h00, não importa em que ponto esteja, o grupo vai parar a leitura.
Neste momento, cada um terá 15 minutos para anotar, individualmente, por escrito, quais as ideias fundamentais do texto e quais as dúvidas ou temas para debate que o texto suscitou.
As 11h15, os participantes lerão para os outros as anotações que fizeram e terão até a hora do almoço para debater livremente.
Almoço
Após o almoço, o relator de cada grupo terá até 10 minutos para fazer uma apresentação para todo o grupo.
O professor discutirá ponto a ponto aquilo que foi apresentado por cada grupo, situando o texto no conjunto do debate que estamos fazendo e dando elementos para uma leitura individual posterior.
Com base no que foi debatido, o professor fará uma exposição sobre os vários temas que devem ser estudados e debatidos, para compreender o que é socialismo.

Esta exposição abordará panoramicamente, mas já tratando de conteúdo, os seguintes itens:

*a ficção científica como espelho distorcido (distopia)
*o socialismo utópico (ler trechos de Morus, Fourier)
*a evolução do capitalismo
*as teorias vinculando socialismo com a luta (e as diferentes visões a respeito)
*as teorias de Marx e Engels (ler trechos do Manifesto Comunista)
*as lutas da classe trabalhadora
*as lutas dos demais setores oprimidos pelo capitalismo
*as organizações socialistas
*um panorama das revoluções socialistas (vitoriosas e derrotadas)
*a luta pelo socialismo no Brasil
*a situação atual, na América Latina e no mundo
*indicações para estudo (livros, filmes, músicas, imagens) 

Dia 12 de dezembro de 2014, noite, será livre.

Dia 13 de junho de 2014, manhã

Os mesmos pequenos grupos voltarão a reunir-se, para leitura de trechos dos seguintes textos:
-Reforma ou revolução, de Rosa Luxemburgo
- Duas táticas da social democracia na revolução democrática, de Lenin
-artigo de Gramsci sobre a revolução de 1917
Cada grupo lerá o que for possível durante 30 minutos e terá em seguida mais 30 minutos para debater quais as ideias fundamentais do texto e quais as dúvidas ou temas para debate que o texto suscitou.
Em seguida, o relator de cada grupo terá até 10 minutos para fazer uma apresentação para todo o grupo.
O professor discutirá ponto a ponto aquilo que foi apresentado por cada grupo, situando o texto no conjunto do debate que estamos fazendo e dando elementos para uma leitura individual posterior.
O resto da manhã e a tarde do dia 13 de dezembro serão dedicadas a aula expositiva acerca da luta pelo socialismo pós 1917.

Dia 13 de dezembro de 2014, noite

Serão montados pequenos grupos, para leitura dos seguintes textos:
-Manifesto de Agosto
-Declaração de Março
Cada grupo lerá o que for possível durante 30 minutos e terá em seguida mais 30 minutos para debater quais as ideias fundamentais do texto e quais as dúvidas ou temas para debate que o texto suscitou.
Em seguida, o relator de cada grupo terá até 10 minutos para fazer uma apresentação para todo o grupo.
O professor discutirá ponto a ponto aquilo que foi apresentado por cada grupo, situando o texto no conjunto do debate que estamos fazendo, dando elementos para uma leitura individual posterior e situando o texto na história do Brasil e na história da luta pelo socialismo no Brasil.

Dia 14 de dezembro de 2014, manhã

Em seguida, faremos uma discussão sobre os desafios da luta pelo socialismo durante a ditadura e após a ditadura, com o surgimento do PT.
Os mesmos pequenos grupos voltarão a reunir-se, para leitura do seguinte texto:
-Carta sobre o PT, o governo Dilma e assuntos conexos (http://www.valterpomar.blogspot.com.br/2014/11/carta-sobre-o-pt-o-governo-e-assuntos.html)
Em seguida, o relator de cada grupo terá até 10 minutos para fazer uma apresentação para todo o grupo.
O professor discutirá ponto a ponto aquilo que foi apresentado por cada grupo, situando o texto no conjunto do debate que estamos fazendo e dando elementos para uma leitura individual posterior.
Finalmente, os alunos farão um novo texto, respondendo as mesmas questões colocadas no início.
Cada um dos participantes terá 10 minutos para responder individualmente e por escrito uma das seguintes questões:

-por quais motivos eu sou socialista?
-por quais motivos eu não sou socialista?
-por quais motivos eu não sei se sou ou não socialista?

O texto será entregue ao professor e será respondido, posteriormente e individualmente.

Esta etapa do curso conclui com uma avaliação.

Governo democrático-popular em Campinas em Campinas, 10 anos depois

Balanço do governo 2001-2004
(contribuição preliminar da Articulação de Esquerda, para o debate na reunião do dm, dia 4/12/2004)


Apresentação

O PT disputa eleições e governa cidades, desde 1982.

No caso de Campinas, nossa primeira experiência de governo ocorreu entre 1989 e 1991, sendo encerrada de maneira traumática, com a ruptura entre o prefeito Jacó Bittar e o Partido.

Não foi realizado um balanço completo daquela experiência. As poucas tentativas nesse sentido --como o livro de Celso Marcondes, que presidiu o PT Campinas naquele período-- acabaram sendo mais centradas na relação prefeito versus partido, do que na análise do conjunto da experiência de governo.

Nossa segunda experiência de governo, entre 2001 e 2004, foi encerrada por uma derrota eleitoral. E, apesar dos traumas ocorridos neste período --entre os quais destaca-se o assassinato do prefeito Antonio da Costa Santos, com todas as suas decorrências internas e externas-- desta vez o Partido está dando sinais de que vai produzir uma reflexão mais completa desta experiência.

Achamos fundamental que esta reflexão ocorra. Afinal, é preciso extrair destes quatro anos de governo, lições que nos permitam reconstruir o Partido, reorganizar os movimentos sociais e preparar nosso retorno.

Este texto, de responsabilidade de militantes da tendência Articulação de Esquerda, é uma contribuição inicial nesse sentido. Nele, fazemos críticas que são também auto-críticas, uma vez que desde o início fizemos parte do governo, sendo que durante a gestão Izalene fizemos parte do núcleo político que dirigiu o Partido, o governo e a campanha eleitoral.

Claro que o balanço de nosso governo, para ser completo, deve levar em conta o balanço estritamente eleitoral. E vice-versa. Foi isso que fizemos, no documento apresentado ao PT no dia 6 de novembro.

Claro, também, que o balanço completo de nossa ação de governo implica em analisar as políticas públicas setoriais desenvolvidas. Este assunto, de importância óbvia, será tratado por nós em outro texto. Nos limitamos, aqui, a ensaiar um balanço político-administrativo do governo democrático e popular.


Campinas: governo e partido fragilizados

É claro que a atuação do PT, de 2001 até 2004, não se resume à sua presença no governo municipal. Devemos levar em consideração, também, o desempenho do Partido nos parlamentos (Câmara, Assembléia e Congresso Nacional), nos movimentos sociais, no governo federal, na relação direta do partido com a sociedade (em escala municipal, estadual e nacional), particularmente nas campanhas eleitorais de 2002 e 2004.

Entretanto, é óbvio que a vida do PT Campinas passou a ser organizada, desde o final de 2000, pelo fato de termos conquistado a prefeitura; da mesma forma como a atuação do PT nacional é incompreensível, se desconsideramos nossa atuação à frente da presidência da República.

A forma como isso ocorreu, entretanto, é uma das causas de nossa derrota. Sem um Partido forte, não teremos um governo forte, dizíamos em 2001. E, de 2001 até 2004, o que tivemos em Campinas foi um partido fraco, incapaz de exercer sua autoridade, tanto sobre a maioria que hegemonizava o governo, quanto sobre a minoria que questionava os rumos do governo.

Como resultado do enfraquecimento do Partido, tarefas centrais foram transferidas, parcial ou totalmente, para o governo - desde a articulação dos movimentos sociais, até a luta político-ideológica na sociedade.

Na prática, como o governo enfrentou - do início ao fim - dificuldades para gerenciar a si mesmo, tarefas fundamentais não foram executadas adequadamente ou, mais simplesmente, foram deixadas de lado, o que custou caro na campanha eleitoral de 2004. Isso custou caro para o Partido, mas também custou muito caro para o governo, que atuou em muitas circunstâncias sem retaguarda para os enfrentamentos que realizou.

A burguesia hegemoniza a sociedade através de múltiplos instrumentos e meios: o controle da maioria dos meios de comunicação, dos parlamentos, dos executivos, dos judiciários, sua força econômica e ideológica etc.

Graças a estes múltiplos instrumentos, a perda de um governo é grave, mas não é fatal para a hegemonia burguesa.

Os trabalhadores também dispõem de alguns instrumentos para fazer sua disputa contra-hegemônica, como sua imprensa, os partidos e os movimentos sociais. Graças a isso, conseguimos algumas vitórias parciais, entre elas conquistar governos e cadeiras parlamentares, colocando-os a serviço da disputa de hegemonia.

Mas a esquerda comete um erro fatal quando transforma os espaços conquistados no Executivo e no Legislativo, em instrumentos únicos ou principais de disputa de hegemonia.

Primeiro, porque há limitações estruturais que impedem que o chamado aparelho de Estado burguês seja um instrumento hegemônico a serviço pleno da classe trabalhadora.

Segundo, porque - ao se tornar dependente dos postos executivos e legislativos - a esquerda corre o risco de, ao perdê-los, perder também capacidade de disputar a hegemonia.

A redução do papel do Partido e a supervalorização do papel do governo, erro cometido em Campinas e em outras cidades, foi particularmente grave numa conjuntura nacional marcada por fortes ataques ao PT.

Ausência de estratégia

Uma análise completa da ação do Governo Democrático e Popular, 2001-2004 exigirá balanços setoriais e comparativos - quantitativos e qualitativos - do que fizemos, frente ao que foi feito por outros governos, em Campinas e em outras cidades de porte semelhante.

Este balanço, para ser de fato completo, exigirá uma consolidação de informações e um amadurecimento de opiniões que só o tempo será capaz de produzir.

Entretanto, desde já é possível fazer um primeiro balanço político de nosso governo, ou seja, determinar em que medida a ação do Governo Democrático e Popular 2001-2004 colaborou para alterar a correlação de forças existente na cidade de Campinas e contribuiu para alterar a correlação de forças existente na sociedade paulista e brasileira.

A classe trabalhadora saiu mais fraca ou mais forte deste processo? Os chamados setores médios estão mais próximos da classe trabalhadora ou da burguesia? Temos mais ou menos organização? Mais ou menos consciência de classe e politização? Mais ou menos força econômico-social?

À primeira vista, comparando o resultado das eleições de 2000, 2002 e 2004, a resposta às duas primeiras questões deve ser negativa. Parece ter havido uma redução de nossa força, vis a vis uma aproximação entre os setores médios e setores da burguesia.

Ou seja: comparando 2000 a 2004, fica claro que não conseguimos transformar nossa vitória eleitoral e nossa ação de governo, em ampliação de nossa força econômica, social, organizativa, política e ideológica na sociedade.

É verdade que, no que toca a força econômico-social, houve movimentos contraditórios: num quadro geral de crise econômica, ampliação do desemprego e redução da renda dos setores médios e trabalhadores, houve uma tendência (mesmo que inicial) de ampliação do emprego e de crescimento da atividade dos pequenos e médios setores.

Esta curva positiva tem relação com o fato de sermos governo, tem relação com os investimentos feitos na cidade nesse período, diretamente por nós ou por estímulo nosso. Mas a ampliação de nossa força econômico-social não se traduziu em ampliação de nossa força político-organizativa e ideológica.

Por exemplo: neste período, não houve um fortalecimento dos sindicatos, uma ampliação do número de sindicalizados, um crescimento dos movimentos populares e estudantis.

Tampouco parece ter ocorrido uma ampliação na consciência de classe e na politização dos trabalhadores e dos setores médios. Para ter certeza disso precisaríamos fazer pesquisas quantitativas e qualitativas detalhadas; mas a eleição de 2004 pode servir como um indicador.

Na média, portanto, não conseguimos deslocar - em favor dos trabalhadores - a correlação de forças existente em Campinas. Não conseguimos transformar o resultado eleitoral de 2000 e o governo daí resultante, num ponto de apoio para ampliar e consolidar nossas forças.

Como já foi dito, a ação estrita do governo não é a única responsável por isto. Afinal, num quadro nacional distinto e com uma presença mais ativa do Partido, poderíamos ter ido para o segundo turno e provavelmente teríamos vencido a eleição, o que nos permitiria “começar de novo" o trabalho de deslocamento da correlação de forças.

Mesmo não sendo a única responsável por isto, está claro que temos que determinar em que medida nossa ação de governo tem responsabilidade em nossa derrota eleitoral, sem cometer o erro de fazer uma vinculação direta entre desempenho de governo e resultado eleitoral.

Este erro é cometido pelos setores do Partido que defendem que perdemos a eleição, principalmente por causa do governo. Mais exatamente, porque o governo Izalene teria sido "excludente" e teria significado uma ruptura com o governo Toninho.

Esta tese é tão sedutora, quanto enganadora.

Primeiro, porque há governos péssimos que vencem e governos ótimos que perdem eleições. Há prefeitos bem avaliados que perdem e prefeitos mal avaliados que ganham eleições. Portanto, existe um vínculo entre desempenho de governo e processo eleitoral, mas este vínculo nem sempre é direto. Cabe a nós, através da análise, determinar com precisão o vínculo existente em nosso caso.

Segundo, porque os primeiros nove meses não permitem avaliar qual teria sido o desempenho de 4 anos de governo Toninho, tampouco o seu resultado eleitoral. Vários dos problemas estruturais do governo Izalene já existiam no governo Toninho. Teriam sido superados? Pode ser que sim, pode ser que não. Mas qualquer que seja a resposta, isso não resolve a nossa situação hoje, pois o fato real é que o Toninho não está entre nós e, portanto, nossa ação futura não pode ser baseada no desempenho hipotético dele (salvo para quem pretende construir sua força política, tentando se apresentar como seu “legítimo sucessor”).

Terceiro, porque o governo Izalene não é muito diferente de "n" governos petistas, em todo o país. Os problemas ocorridos aqui, ocorreram em muitas outras cidades. Em algumas fomos derrotados, noutras fomos vitoriosos. Querer resumir nossa derrota eleitoral aos erros cometidos pelo governo, e querer resumir estes erros a uma suposta "exclusão", é meio caminho andado para novas derrotas, pois nos impede de localizar todos os problemas reais (e também de comemorar os sucessos igualmente reais que tivemos).

Quarto, porque a tese da "exclusão" nos poupa da tarefa de analisar o desempenho de todo o governo, situando o problema apenas em seu núcleo dirigente. Aqui, novamente, é uma tese aparentemente cômoda para quem pretende formar uma "nova maioria" no Partido. Mas não é uma tese correta para quem pretende construir uma estratégia que nos conduza a vitórias, em 2005, 2006, 2007 e 2008.

Em resumo: se quisermos responder em que medida nossa ação de governo tem responsabilidade em nossa derrota eleitoral, é preciso ir além das respostas fáceis e analisar, olhando o conjunto da ação de governo, estabelecendo em que medida conseguimos colaborar para deslocar, a nosso favor, a correlação de forças na cidade.

O que passa por localizar - na história de Campinas - a nossa experiência de governo; analisar as relações de nosso governo com os diferentes setores sociais e forças políticas da cidade; e debater a maneira como nosso governo enfrentou algumas questões estratégicas.

Observada do ângulo do "poder local", a história de Campinas não é diferente da história da maior parte das cidades brasileiras.

Não importando o porte do município, sua importância econômica e o nível de organização dos trabalhadores, na maior parte das cidades brasileiras o "poder local" - e, mais especificamente, o executivo e o legislativo municipais, sem esquecer do judiciário - seguem ainda hoje sob controle da classe dominante local, em aliança maior ou menor com os setores médios e com os interesses do grande capital nacional e internacional.

Essa situação começou a mudar no final dos anos 1980, quando a esquerda - encabeçada pelo PT e expressando os interesses dos trabalhadores e de parte dos setores médios - conquistou o governo municipal e ampliou sua participação no legislativo de importantes cidades brasileiras.

De lá para cá, apesar de descontinuidades importantes, tem crescido o número de cidades governadas pelo PT, geralmente em aliança com outros partidos de esquerda (e, mais recentemente, com partidos de centro e de direita).

Nessa trajetória, há dois momentos de importância ímpar: as eleições de 1988 e as eleições de 2000, em que uma "onda vermelha" permitiu vitórias importantes do PT e da esquerda, em eleições municipais.

Foi exatamente nestes dois momentos que o PT venceu as eleições municipais em Campinas, primeiro com a chapa Jacó Bittar-Toninho e depois com a chapa Toninho-Izalene.

Não se trata de uma "coincidência", mas sim da confirmação de que a trajetória política e eleitoral da esquerda campineira não está dissociada da trajetória geral da esquerda brasileira, nem nas vitórias, nem nas derrotas.

Em 1988, quando não havia segundo turno, o PT pôde vencer as eleições sozinho. Em 2002, teve que disputar e vencer um segundo turno, quando recebeu o apoio de vários partidos e segmentos sociais.

A trajetória do primeiro governo petista foi bastante traumática, tendo sido interrompida pelo rompimento entre o Partido e o governo municipal, após o que o prefeito Jacó Bittar saiu do PT, em 1991 (dois anos e alguns meses depois da posse).

A trajetória do segundo governo petista também foi traumática, desta vez devido ao assassinato do prefeito Antonio da Costa Santos, em 2001, nove meses depois da posse, fato que marcou toda a história posterior da cidade, do governo e do partido.

A trajetória de ambos os governos petistas em Campinas foi influenciada por duas grandes variáveis: a dinâmica nacional e a dinâmica local da luta de classes.

Por dinâmica nacional da luta de classes, compreendemos a relação do governo municipal com as grandes polêmicas político-ideológicas, com a política macroeconômica do governo federal, com as movimentações do governo estadual, com as ações das classes sociais brasileiras e de suas entidades etc.

Neste sentido, é importante lembrar que o governo Jacó Bittar e o governo Toninho tiveram início em momentos opostos da história recente do Brasil.

Basta dizer que um ano depois da eleição de Jacó Bittar, Fernando Collor era eleito, marcando o início oficial do ciclo neoliberal no Brasil; por outro lado, dois anos depois da eleição de Toninho, Lula era eleito, revelando o esgotamento (mas ainda não o fim) do ciclo neoliberal no Brasil.

Apesar desta diferença, há uma semelhança fundamental entre os dois momentos -- semelhança relacionada com a continuidade, sob o governo Lula, da hegemonia do capital financeiro, do agro-negócio e do capital exportador sobre a economia e a sociedade brasileira.

Por dinâmica local da luta de classes, compreendemos a relação do governo municipal com os diferentes interesses econômicos, políticos e sociais existentes na cidade e na região em que ela se insere.

Neste sentido, o governo Jacó e o governo Toninho também tiveram início em momentos opostos: o primeiro foi beneficiário do grande afluxo de recursos, comum a todas as prefeituras imediatamente posteriores à edição da Constituinte de 1988. Já o segundo foi vítima do brutal endividamento e do enxugamento da máquina pública, produto do ciclo neoliberal.

Apesar desta diferença real, há uma semelhança fundamental - que tem a ver com a hegemonia, no âmbito local, dos interesses da especulação imobiliária e das empresas que prestam serviços ao poder público.

Na época de Jacó, isto dizia respeito basicamente à área de transportes e as empreiteiras; hoje, inclui a luz, a coleta de lixo, a segurança e, em certa medida, a medicina e o ensino privados.

Se observarmos a história política de Campinas, antes de 1988, verificaremos que os diferentes governos municipais tiveram maior ou menor sensibilidade para os interesses das camadas populares; maior ou menor compromisso com as causas democráticas; maior ou menor compromisso com o desenvolvimento econômico.

Mas, fosse qual fosse a diretriz de cada administração, todas foram governos de diferentes setores da classe dominante local; e em todas manifestou-se a hegemonia, maior ou menor, da especulação imobiliária e dos prestadores de serviços.

Noutras palavras, a alternância política no executivo e no legislativo da cidade não afetava o poder real, a influência, a hegemonia, dos interesses econômicos e sociais de uma parcela determinada da classe dominante local.

Portanto, a principal tarefa do PT Campinas, em escala municipal, era e prossegue sendo derrotar a hegemonia da especulação imobiliária, aliada aos prestadores de serviços.

Quando falamos em "deslocar a correlação de forças", falamos portanto em libertar a cidade da hegemonia destes setores.

Para alcançar este objetivo, faz-se necessário não apenas força social e legislativa, mas o controle do executivo municipal, fundamental para mudar a legislação urbana, mudar os vetores de desenvolvimento da cidade e alterar os contratos.

A vitória do PT, em 1988, foi um passo neste sentido, pois levou ao governo um setor social sem compromissos com a especulação imobiliária, nem com os prestadores de serviços, nem com os demais setores da classe dominante.

Mutatis mutandis, a ruptura de Jacó com o PT (e vice-versa) ocorreu principalmente devido a aproximação entre o então prefeito e os setores acima mencionados, mais exatamente com o grupo de Orestes Quércia e com algumas empreiteiras.

A vitória de Toninho, em 2000, também foi um passo neste sentido, pelos mesmos motivos mencionados anteriormente.

Mas havia uma diferença importante: a estratégia impulsionada pela campanha de Toninho previa que o combate à hegemonia da especulação imobiliária e dos prestadores de serviços seria feito por uma aliança entre os trabalhadores, os setores médios e setores do capital.

A rigor, esta "atualização" na estratégia partidária correspondia a posição assumida pelo PT nos anos 90, em escala nacional: o de considerar necessária e virtuosa uma aliança com setores do capital "produtivo", contra o capital financeiro ("especulativo").

Esta estratégia se traduziu, menos num programa detalhado de ação e mais em algumas idéias-força: "coragem de mudar" Campinas, retomando as esperanças de futuro da cidade, melhorando a vida dos setores populares, recuperando as características que fazem os setores médios apreciar Campinas e, por que não, ampliando as perspectivas de lucro de importantes setores do capital, não comprometidos com a especulação.

Noutras palavras, essa estratégia dependia de uma aliança entre o capital e o trabalho, em prol de um desenvolvimento que geraria lucros numa ponta e bem-estar social noutra.

Como outros programas semelhantes, o nosso era profundamente dependente da figura de Toninho. Por isso, seu assassinato colocou o PT de Campinas diante de um dilema estratégico terrível.

Independente de seu posicionamento no espectro político interior ao partido, o companheiro Toninho era do ponto de vista dos quadros existentes um dos melhores, senão  o melhor quadro para exercer o executivo. Seu conhecimento sobre a cidade, sua história, suas necessidades e potencialidades lhe eram absolutamente íntimas; conhecia como poucos sua dinâmica urbana, seus atores sociais, suas virtudes e desvirtudes. Porém, grande parte desse acúmulo de conhecimento sobre a cidade era fruto de um esforço pessoal considerável, não que o companheiro tivesse feito uma opção deliberada de guardar para si e/ou construir individualmente esse acúmulo, são as circunstâncias de sua vida, o formato dos estudos acadêmicos e também sua opção de não militar em tendências organizadas. Não temos dúvidas que, não fosse os trágicos acontecimentos, após quatro anos de gestão muito de seu conhecimento estaria muito mais socializado.

Isso tudo lhe permitiu imaginar uma Campinas ideal, imaginar muito mais do que era capaz de transmitir, falava sobre idéias, planos e projetos, aos quais quase todos se referem, principalmente, é claro, ao campo do urbanismo e da arquitetura; tinha uma profusão de idéias, nem sempre metódicas e organizadas, mas que marcavam e impressionavam seus interlocutores. Porém fruto daquela construção individual a qual nos referimos acima, uma boa parte de suas idéias, e talvez o mais importante, a forma de torná-las realidade, se foram com ele; a interrupção abrupta de seu mandato não só deixa catatônica a equipe de governo, como interrompe um processo ainda em gestação e embionário, impossível de ser levado a risca nos moldes pensado pelo companheiro. E aí está sua desvantagem, ou pelo menos a desvantagem do seu legado: seu acúmulo pessoal extraordinário deixa a impressão, no imaginário popular, que cumprir o programa do PT era uma tarefa exclusiva do companheiro Toninho.

Toninho assume, nesse imaginário, o posto de prefeito ideal, que iria transformar Campinas em uma cidade quase perfeita, beirando a utopia. Cabe aqui um paralelo com Santo André, onde apesar do assassinato do prefeito no começo de seu terceiro mandato, houve uma certa continuidade quase que automática do funcionamento e implementação dos projetos. Tratava-se, lá, do início da terceira gestão. Os caminhos, a estrutura administrativa e as condições políticas já estavam  dadas e ou determinadas, a equipe e a máquina administrativa funcionaram quase que por inércia; em Santo André, Celso Daniel já havia mostrado à que veio e o que faria em duas gestões anteriores, com isso, lá, diferente daqui, a presença da imagem do prefeito assassinado no imaginário popular, na administração e no partido, foi muito menor nos anos subseqüentes.

Em Campinas, nada do que fosse feito estaria próximo a cidade ideal contruída no imaginário popular; ninguém, absolutamente ninguém, conseguiria chegar próximo ou perto do ideal projetado; aqui, a cada projeto implantado, sempre houve aqueles que afirmavam: "O Toninho faria melhor". E para os projetos não implantados, havia sempre uma frase: "se fosse o Toninho, ele faria" frase também utilizada para projetos jamais aventados pelo Toninho ou pelo nosso programa de governo.

Esse paradoxo entre a "gestão ideal de um prefeito falecido" e a "gestão real de uma vice prefeita eleita" marcaria profundamente os três anos seguintes da administração.

O assassinato de Toninho é uma ferida aberta no imaginário de Campinas. Lembra, nesse sentido, a morte de Tancredo Neves. Em ambas as figuras, concentrava-se a esperança de amplos setores da sociedade. A morte de ambos frustrou esperanças profundas.

No caso de Toninho, a frustração é agravada pela sua juventude, que reforçava a impressão de que ele faria muito pela cidade. E pelo assassinato não esclarecido, que deixou na maior parte da cidade a certeza de foi um crime político.

Frente ao assassinato de Toninho, como devia se comportar o PT?

Um caminho possível era atuar como se o Toninho seguisse conosco e tentar implementar seu programa, sem ele.

Esta alternativa enfrentava três grandes obstáculos:

a) a ausência de um plano de ação claro (pois o "Caderno Vermelho" não continha isto);

b) a decorrente existência de vários candidatos a “explicar” o que Toninho faria, “se estivesse vivo";

c) a existência de um equilíbrio muito instável entre as forças internas ao PT (com a vice e depois Prefeita sendo proveniente de um "campo" partidário distinto do Toninho).

Outro caminho possível o de reconhecer que o assassinato do Toninho inviabilizava parte importante da estratégia anterior, impondo ao Partido a necessidade de construir uma estratégia alternativa a que fora vitoriosa nas eleições de 2000, além da necessidade de construirmos uma liderança coletiva e uma forte unidade partidária.

O governo oscilou entre as duas alternativas, de setembro de 2001 até o final.

Sinais dessa oscilação foram: as demissões a conta-gotas de integrantes do primeiro escalão; as seguidas tentativas de definir uma "marca" para o governo; as disputas em torno da memória do Toninho; as tentativas de afirmar a autoridade da Prefeita; a divisão partidária entre o "grupo do Toninho" e o setor que dirigia o governo; as prévias de 2004 e a composição da chapa majoritária.

É evidente que a minoria partidária (o auto-intitulado "grupo do Toninho") propunha algo impossível de realizar: por mais que se prolongue o luto, ele não substitui a ausência real. Aliás, o resultado eleitoral dos candidatos deste "grupo" é uma confirmação indireta disto: houve uma queda de votação, entre 2002 e 2004, mostrando que pouco a pouco o "legado do Toninho" vai se tornando um argumento mais ideológico do que político.

O erro da minoria partidária se desdobrava, por sua vez, em três outros.

O primeiro deles foi associar-se, consciente ou inconscientemente, à campanha que a direita da cidade desenvolveu contra o governo, com o objetivo de deslegitimá-lo.

O segundo foi utilizar a condição de "aliado original do Toninho" como álibi para tudo, inclusive para ações administrativas e políticas incorretas.

O terceiro foi imaginar que seria possível criar um "dublê" para o Toninho, na figura de algum de seus pares.

Um balanço completo de nossa ação de governo, precisa levar em conta o papel jogado por este auto-intitulado "grupo do Toninho".

Trata-se de analisar, em primeiro lugar, o que fizeram - efetivamente - na primeira etapa do governo, quando não tinham a desculpa de estar sob a direção de um "grupo excludente".

Questões como a implantação do Sim, o contrato do lixo e a planta genérica de valores devem ser analisadas.

Trata-se de analisar, em segundo lugar, o que fizeram depois do assassinato do Toninho, a aliança que estabeleceram com setores da direita, sua postura nas prévias e na campanha eleitoral.

Os erros que este grupo tenha cometido, entretanto, teriam tido importância menor, caso a maioria partidária tivesse conseguido realizar o que era necessário: elaborar uma estratégia alternativa, construir uma liderança coletiva, unificar o Partido.

A “equipe do Toninho”
Toninho foi escolhido como candidato a prefeito do PT no segundo turno das prévias internas, que lhe deram uma vitória extremamente apertada sobre o seu adversário, o deputado estadual Renato Simões, que contou com o apoio de um dos candidatos derrotados no primeiro turno, companheiro Luciano Zica, sendo que a outra candidatura derrotada, a do companheiro _______ apoiou a candidatura do Toninho. Coube ao grupo do deputado Renato Simões indicar, em comum acordo com o companheiro Toninho, a candidata a vice, companheira Izalene Tiene.
É óbvio que por ocasião da formação do governo, Toninho opta por nomear, nos principais postos da administração, figuras e pessoas que com ele estiveram e faziam parte de seu coletivo político; e nisso não há nada de estranho, estranho seria se assim não o fizesse.
Esse foi o núcleo dirigente nos nove meses de governo Toninho, e grande parte dele até a metade do governo do PT. Era natural que ao assumir o cargo de prefeita, a vice Izalene Tiene, opta-se em nomear nomes mais próximos ao seu coletivo político e seus aliados. Seria legitimo que o fizesse inclusive nos mesmos moldes do que fez o companheiro Toninho quando assumiu, o que não aconteceu, muito pelo contrário, matevesse em um primeiro momento uma boa parte dos cargos chaves indicados pelo Toninho. Mas é claro que os caminhos para implementar o mesmo programa são distintos, é claro que a orientação política para implementação desse programa ganha outros contornos, mesmo assim, optou-se por manter uma boa parte da equipe anterior, o que com o tempo revelaria-se um equivoco.
Curiosamente esse grupo comportou-se quase como um outro governo dentro do governo, sob o argumento de que eles, e somente eles, eram herdeiros dos projetos do companheiro Toninho; arvoravam-se, de uma forma quase mística, interlocutores exclusivos dos ideais do Toninho e do projeto partidário.
Essa parcela da equipe anterior começa de, um lado, a trilhar um outro caminho e de outro a boicotar de forma deliberada ou por inépcia – situação impossível de determinar – as ações de governo; recusam-se a manter a unidade do governo, sentem-se no direito de questionar e falar mal, publicamente, do governo, da prefeita e de suas ações, e ao mesmo tempo se consideram no direito de permanecer nesse mesmo governo, sempre sobre o manto de serem a “equipe do Toninho”; como se isso lhes conferisse uma aura de legitimidade e intocabilidade, desconhecendo que àquela altura a maior legitimidade cabia a vice prefeita eleita pelas urnas e prefeita em exercício.
Manter essa equipe mostrou-se um enorme equivoco, basicamente por dois motivos interligados: o primeiro diz respeito ao momento e condições em que assume a vice prefeita, assume um governo ainda embrionário, sem consolidação da nova estrutura, com projetos em fase de preparação, some-se a isso ao estado de choque do conjunto dos companheiros; pois bem não há quadro pior do que além da situação em que se encontrava a administração deparar-se com uma oposição interna questionando o que deve ser feito e quem deve fazer, se há momentos onde a disputa é um elemento saudável, há momentos onde a disputa é extremamente prejudicial; estávamos no final do primeiro ano de mandato, não podíamos dar-nos ao luxo de estender essa disputa por mais tempo, como de fato ocorreu, levando-nos a manter uma situação de dispersão de governo até o fim do segundo ano e parte até o terceiro ano de mandato, o que correspondeu dois terços do nosso governo.
O segundo motivo diz respeito a própria equipe em si, ou seja, a chamada “equipe do Toninho”, muito pouco ou quase nada havia realizado ou consolidado nos nove meses de governo. Projetos importantes sequer tinham chegado no papel, o que dirá saído do papel; a estrutura administrativa herdada do governo anterior permanecia intocável, portanto anacrônica e emperrada; as grandes dificuldades e obstáculos não haviam sequer sido detectados o que dirá enfrentados; enfim era um momento onde havia muito ainda o que se fazer para sair do zero, ou do quase zero, o que gerou uma falsa impressão de imobilidade no segundo ano de governo, é necessário que se diga que muito do que se fez no segundo ano devia ter sido feito no primeiro ano justamente pela autodenominada “equipe do Toninho”.


O erro da maioria partidária também se desdobrou em três outros.

O primeiro foi não aplicar de maneira consistente alguma estratégia, o que ficou claro nas demissões a conta-gotas, na relação com o Correio Popular, na relação com o campo majoritário nacional do PT e na relação com o "legado" do Toninho. Predominou, na maior parte do tempo, um zigue-zague estratégico.

O segundo foi o de dar continuidade aos principais problemas verificados no período em que o Toninho foi prefeito, o que será abordado mais adiante.

O terceiro foi o de demorar demais para construir uma alternativa eleitoral viável.

Ao contrário do que dizem setores do PT, portanto, não havia uma "estratégia da exclusão". Quem possui estratégia, não exclui: hegemoniza. A "exclusão", se e quando houve, foi produto da falta de estratégia, foi produto da incapacidade de hegemonizar.

Visto o problema de conjunto, ambos os setores do Partido falharam em dotar o partido de uma estratégia e de um plano de ação capazes de enfrentar a situação dada: o desaparecimento da peça central da estratégia vitoriosa em 2000. Isso teve impacto sobre a ação do Partido e, também, sobre a ação do governo.

O resultado desta incapacidade coletiva - mas de responsabilidade principal da maioria do PT Campinas, que tinha os meios e a obrigação de construir uma estratégia alternativa e não o fez - foi nossa derrota em 2004 e a devolução do controle da cidade para forças políticas comprometidas com a especulação imobiliária e com as empresas prestadoras de serviços (forças que se fizeram presentes nas duas candidaturas que disputaram o segundo turno).

Importante dizer que a estratégia para nos derrotar em 2004 foi construída, pela direita da cidade, desde 11 de setembro de 2001.

Com as mudanças na equipe do governo após a posse de Izalene Tiene e ao longo de 2002, o governo procura ganhar maior coesão política. No entanto essas mudanças não foram suficientes para garantir um enfrentamento suficientemente forte contra a direita e garantir uma coesão administrativa.
Do ponto de vista do enfrentamento com a direita, cabe ressaltar sua tática extremamente nefasta de combater a cidade, e não só o projeto do PT para a cidade. Tirante seu reacionarismo inerente, a oposição raivosa da direita através de seu maior porta voz, o Correio Popular, bem como de outros políticos e meios de comunicação, pautou-se por alguns pontos significativos: a deslegitimação do mandato da prefeita; o oportunismo no uso da imagem do Toninho; o combate a qualquer ponto positivo da cidade de Campinas; o incentivo e a reprodução de opiniões racistas, machistas, preconceituosas e anti populares; a desinformação deliberada, seja através da manipulação de fatos e/ou insinuações caluniosas ou mesmo através da mentira pura e simples.
A deslegitimação do mandato da prefeita: desde os primeiros dias após a posse da companheira Izalene Tiene a direita da cidade buscou deslegitimar a prefeita enquanto chefe do executivo, questionando desde a legalidade de sua posse, até as condições de caráter subjetivo de sua personalidade. Como é claro, isto gerou um clima de ausência de autoridade da prefeita e de seu governo, clima esse incentivado ora por notícias plantadas sobre disputas internas, ora por notícias fundadas calcadas em problemas ocorridos ainda na gestão Toninho. Seja como for, as inverdades e a amplificação de fatos menores colaboraram em muito para esse sentimento de “falta de autoridade”.
O oportunismo no uso da imagem do Toninho: o mesmo jornal que às vésperas do 2º turno das eleições de 2000 foi obrigado, por decisão judicial, a publicar um direito de resposta do companheiro Toninho, passa cinicamente --após a sua morte-- a utilizar seu nome como bandeira no combate a administração e seu projeto. Utilizando-se de sua imagem, a usam contra nós, acusa-nos sem menor fundamento de "traição ao projeto do Toninho". Desta forma, a direita parece sair em defesa dos ideais do Toninho, mas sem jamais explicitá-los, de forma a criar na opinião pública a imagem de que nós estávamos traindo a memória do companheiro, bem como seus ideais; ideais esse em sua maioria explicitados no Programa de Governo do PT 2001-2004, que procuramos implementar até o final e, diga-se de passagem, com enorme sucesso.
O combate a qualquer ponto positivo da cidade de Campinas: jornais de direita de oposição à administrações do PT não são novidade nem exceções, aliás são a regra. Em Campinas porém a imprensa não limitou-se a combater a administração e o partido. Numa estratégia quase suicida, a imprensa adotou a linha de combater a cidade como um todo, indistintamente, adotando claramente a linha do quanto pior melhor.
Nada, absolutamente nada, era considerado positivo na cidade de Campinas. Todas e quaisquer ações, por mais positivas que fossem e mesmo que pontualmente na direção dos interesses defendidos pelo jornal, eram combatidas de forma virulenta, vez ou outra merecendo um elogio em editoriais repletos de senões com relação a administração, para em ato contínuo fustigar a realização/ação do governo, seja através de insinuações caluniosas, seja através do destaque dado a questões absolutamente desprezíveis frente ao tamanho da realização, ambos em manchetes colossais, é claro, em contraposição aos tímidos e dúbios editoriais. Ocultavam-se realizações positivas que não fossem visíveis ao grande público e hiper-valorizavam-se aspectos negativos, sendo eles, curiosamente, responsabilidade do governo municipal, estadual ou federal, ou de quem que seja, mas sempre destacando a culpabilidade da administração municipal, por mais estapafúrdia que fosse a relação entre o fato negativo e a administração municipal.
Assim, tentou-se criar um clima de baixíssima auto-estima nos moradores e na cidade, contraposto sempre a um passado mítico, onde somente habitantes aqui nascidos aqui habitavam e que, portanto, por isso a cidade era melhor, construindo uma falsa história da cidade, ignorando os escravos, imigrantes e outros que a construiram, bem como as pestes e epidemias - fruto muitas vezes da ausência de políticas públicas adequadas, não implantadas por parte dos campineiros nativos - que a assolaram nesse passado puro e glorioso. Este tipo de estratégia, de combater a cidade, vai na contra-mão inclusive de interesses da própria burguesia, que costuma fazer um discurso de valorização do seu locus, vendendo uma imagem positiva de sua cidade para o mundo dos negócios, de forma a atrair maiores investimentos, gerando maiores oportunidades de negócios etc. Esta contradição somente reforça o conteúdo desqualificado da oposição e dos meios de comunicação com relação ao nosso governo.
Este talvez tenha sido um dos aspectos mais importantes, apesar de subliminar, na oposição à administração: frente a uma campanha sistemática de desvalorização da cidade, é extremamente complicado tornar qualquer ação positiva forte o suficiente para reverter esta imagem, criando-se a sensação de como a cidade está mal, nenhuma ação é suficiente para reverter isso, “foi feito isto mas...a cidade está uma droga”, “foi feito aquilo, mas...a cidade é uma porcaria”. Criou-se, desta forma, um círculo vicioso auto-depreciativo e mau-humorado, onde todas as mazelas e problemas eram atribuídos, maliciosamente, à administração democrática e popular.
Cabe destacar que apesar de toda esta campanha, Campinas, cresceu além da média nacional, melhorou todos seus indicadores sociais, reduziu a criminalidade e conquistou outros avanços.
O incentivo e a reprodução de opiniões racistas, machistas, preconceituosas e anti populares: aliado a essa desvalorização da cidade, perpassava-se nas entrelinhas que a responsabilidade por esse “estado” em que chegou a cidade seria dos migrantes, dos despossuídos, dos trabalhadores, dos maltrapilhos, da prefeita mulher, dos favelados, das minorias raciais, dos gays e lésbicas, enfim, de todos àqueles que não fossem de "sangue campineiro" ou que não fossem abastados o suficiente para manter-se sem as benesses do Estado, mas sempre à busca dessas benesses, seja através da adoção de políticas elitistas, seja através do favorecimento puro e simples deste ou àquele que preenchesse um dos dois requisitos.
Uma das faces do inconformismo da direita com a administração democrática e popular e seu preconceito ficava claro quando de suas críticas ao Orçamento Participativo: eram críticas absolutamente superficiais no seu conteúdo, mas que deixavam transparecer a irritação e o ódio com relação a um processo que permitia aos migrantes, aos despossuídos, aos trabalhadores, aos maltrapilhos, aos favelados, as minorias raciais, aos gays e lésbicas e também aos campineiros "nativos", influir sobre o orçamento e os rumos da cidade. Para eles, é como se fosse inconcebível permitir que "semi- analfabetos" palpitassem sobre qualquer coisa, o que dirá do orçamento municipal.
A desinformação deliberada, seja através da manipulação de fatos e/ou insinuações caluniosas ou mesmo através da mentira pura e simples: coerente com os tópicos anteriores, não podia-se esperar outra coisa, senão um cobertura jornalística de difícil credibilidade. Não se trata aqui de desenvolver uma tese de comunicação, ou defender normas e comportamentos jornalísticos, mas de constatar algumas pequenas artimanhas tais como: distorção grosseira das declarações e entrevistas, com frases truncadas, afirmações fora do contexto ou mesmo colocação de palavras não ditas; cobertura parcial e unilateral de fatos e coletas de opiniões; insinuações do tipo “estão dizendo que o governo não irá....” ou pior “o que será que fulano ganhou com isso?”; ocultação sistemática da administração quando da publicação da cobertura sobre ações e realizações da administração, como se fossem obra do acaso ou de entes divinos ou a ignorancia pura e simples sobre a ação, evento ou realização, por mais importante que fosse; a imputação a administração de qualquer fato negativo independente da responsabilidade desta para com o fato; a utilização da seção de cartas ao leitor como tribuna de calúnias e mentiras contra a administração.

Comunicação e disputa de projetos

A fase petista do governo Bittar e o governo Toninho foram experiências curtas e inconclusas. Já o governo Izalene foi uma experiência longa, completa, que possibilita uma análise de conjunto.

Este governo passou por várias etapas: da posse de Izalene (11 de setembro de 2001) até a substituição do secretário de Governo; de novembro de 2001 até a greve de abril/maio de 2002; da greve até a vitória e posse de Lula; de janeiro de 2003 até maio-junho de 2003, marcado pelas chuvas e por uma greve prolongada; do segundo semestre de 2003 até o afastamento dos remanescentes do chamado "grupo do Toninho" e a recomposição do governo; da recomposição do governo até a vitória na prévia e a composição da chapa majoritária; do início da campanha eleitoral até a derrota; e os últimos 90 dias de governo, fase final que ainda está em curso.

Como já vimos, não conseguimos construir uma nova hegemonia na cidade, pois as eleições de 2004 trouxeram de volta ao comando da cidade os setores que sempre a hegemonizaram.

Cabe investigar, agora, em que medida a ação concreta da administração Izalene colaborou (ou não) para transformar o governo municipal em ponto de apoio para a construção de outra hegemonia na cidade, mesmo que essa hegemonia não tenha sido, ao final, construída.

Não parece haver dúvida, nos diferentes setores do PT, de que nosso governo buscou ampliar o acesso às políticas públicas, democratizar a cidade e contribuir para a existência de outro modelo econômico.

Mas este esforço - avaliado positivamente por parcela expressiva da população, quando se perguntava acerca de cada setor da administração- não se traduziu numa avaliação positiva do conjunto do governo, nem em handicap positivo para nossas candidaturas a prefeito, vice e vereadores.

O principal motivo disto foi a ausência de uma política de comunicação, o que deixou o caminho aberto para que veículos como o Correio Popular, a Rede Bandeirantes e a EPTV --entre outros-- formassem, com pouquíssima oposição nossa, a opinião pública a nosso respeito (e, geralmente, contra nós).

O governo, tanto sob Toninho quanto sob Izalene, tendia a tratar a comunicação como "atividade-meio", dedicada à "informação", e não como uma política pública tão essencial para a população quanto saúde e educação.

Isto explica porque demoramos a lançar instrumentos próprios de comunicação (como o Diário Oficial). Explica, também, porque fizemos uso extremamente precário e contraditório da publicidade: basta lembrar que o investimento publicitário da Sanasa no Correio Popular ajudava, indiretamente, a financiar os ataques contra o Governo Democrático e Popular.

Pelo mesmo motivo, mantivemos o contrato - herdado do governo Chico Amaral- com uma agência de publicidade, mas não soubemos utilizar adequadamente este instrumento. Como também não utilizamos adequadamente o contrato com o Idort.

Quanto ao Partido dos Trabalhadores, este não manteve, de 2001 até 2004, uma política de comunicação à altura da disputa de hegemonia numa cidade do porte de Campinas.

Tirante a campanha eleitoral - quando tivemos a chance de utilizar de maneira regular a TV, o Rádio e tiragens mais amplas de material impresso -, o Partido limitou-se a lançar, de maneira mais ou menos regular, um jornal com alguns milhares de exemplares.

Além disso, o PT e o governo não aplicaram uma política uniforme frente aos grandes meios de comunicação. Oscilamos, por exemplo, de uma postura de colaboração disfarçada com o Correio Popular, até uma postura de enfrentamento total.

A ausência de uma política de comunicação reflete e agrava os efeitos da ausência de uma estratégia coletiva. Como resultado, o governo parecia ser composto por partes maiores que o todo: a saúde podia ir bem (ou mal), a educação podia ir bem (ou mal), a cultura podia ir bem (ou mal), mas o governo como um todo ia sempre mal.

Enfrentamento à hegemonia dominante

Na base de nossas dificuldades, estava e segue estando a ausência de uma análise de classes da sociedade campineira, que servisse de norte para as políticas do partido e do governo.

Por exemplo: se é verdade que nossos inimigos principais, em escala nacional, são a especulação financeira, o agro-negócio e o capital exportador, não seria o caso de identificar quais seus representantes na região de Campinas?

Também por exemplo: se é verdade que nossos inimigos principais, em escala local, são a especulação imobiliária e a rede de prestadores de serviços, não seria o caso de identificar quais seus representantes na região de Campinas?

Ou ainda: as políticas de partido, de governo e nossas alianças não deveriam estar explicitamente organizadas pelo objetivo de combater e derrotar estes setores sociais?

Teoricamente, devia ser assim. Mas, na prática, não foi isso que ocorreu.

Um exemplo disso foi a incapacidade de operar uma política sistemática no caso da dívida pública e da Lei de Responsabilidade Fiscal, o que poderia ter sinalizado para um enfrentamento claro contra o sistema financeiro.

Outro exemplo foi a incapacidade de cobrar a dívida ativa e de gerar uma nova planta genérica de valores, o que poderia ter sinalizado para um enfrentamento claro com a especulação imobiliária.

Um terceiro exemplo disso foram os sinais contraditórios da política urbana do governo, na maioria contrários à especulação imobiliária, mas alguns favoráveis a ela (como se viu nas votações da Câmara).

Um quarto exemplo foi nossa incapacidade de elaborar e implementar uma política de enfrentamento com o crime organizado.

Esses sinais contraditórios são fáceis de explicar: o governo, ao invés de operar o isolamento dos inimigos principais, foi "operado" por eles.

Setores da especulação financeira e da especulação imobiliária, bem como setores dos prestadores de serviços, se aproximaram do governo; enquanto outros setores financiaram o combate ao governo. As vezes, os que se aproximavam, também financiavam a oposição.

Neste sentido, a estratégia real de nosso governo foi a de buscar uma aliança com um setor da verdadeira "classe dominante local", contra outro setor. Nesse sentido, agimos como tantos outros governos de Campinas, antes de nós; quando o correto teria sido compormos uma aliança de classes alternativa e, a partir desta aliança, ter trabalhado para dividir as elites locais.

Não admira, pois, que tanto no primeiro quanto no segundo turno, os partidos que compuseram a base do governo tenham se dispersado em diferentes sentidos, inclusive em direção ao PSDB, como fez o PPS, ainda no primeiro turno e o PV, no segundo turno.

A grosso modo, existem na região de Campinas as seguintes classes e frações de classe:

O grande capital internacional e nacional (empresas como a Lucent e a Mercedes, grandes bancos como Itaú e Bradesco, as empresas que controlam a CPFL etc.);

O médio capital nacional (empresas industriais, comerciais e de serviços, entre elas as que atuam nacionalmente na área do lixo, da segurança, empreiteiras, educação etc.);

O médio capital local (empresas que atuam no mercado local ou regional, especialmente na área de comércio e prestação de serviços, escolas, médias empresas industriais etc.);

Os proprietários de terras no município de Campinas, geralmente setores do capital que fazem da terra uma reserva de valor;

Os proprietários dos grandes meios de comunicação;

Grandes empresas estatais ou assemelhados (como a Infraero, a Petrobras, o CPqD, a Unicamp, a Sanasa, a própria prefeitura);

O pequeno capital de natureza familiar ou quase-familiar (pequenas empresas formais ou informais, pequenos proprietários rurais etc), que integram junto com parcela dos assalariados os chamados setores médios;

Os trabalhadores que ocupam postos de gerência nas grandes e médias empresas, cujos interesses contraditórios - assalariados profundamente identificados com os objetivos das empresas que ajudam a dirigir - os transformam em "setores médios", sempre em disputa;

Os trabalhadores autônomos de renda elevada, que também integram os chamados setores médios;

Os trabalhadores assalariados com emprego formal, em empresas privadas;

Os trabalhadores do setor público, municipal, estadual e federal;

Os trabalhadores em situação de acentuada informalidade, bem como aqueles em situação de desemprego.

Nem o PT, nem o Governo Democrático e Popular se detiveram em analisar com profundidade esta estrutura de classes, determinar o tamanho de cada setor social, localizar quais seus instrumentos organizativos e políticos. De certa maneira, fizemos passeio cego em terreno minado.

Um exemplo disto foi a postura do governo frente aos responsáveis pela dívida ativa da Prefeitura. Um pequeno número de devedores (cerca de 100) é responsável pela maior parte desta dívida. Apesar disso, o governo não tornou pública a lista de devedores, perdendo a oportunidade de mostrar quem são os vilões sociais que não pagam os impostos e dão calote no poder público, misturando alhos (os pequenos devedores) com bugalhos (os grandes devedores).

Outro exemplo foi a postura do governo frente aos credores da dívida pública. Não bastava - como fizemos em 2001 e, tardiamente, em 2004 - falar da imensidão da dívida e da responsabilidade dos governos que a contraíram. Era necessário vincular isso a política de altos juros, aos interesses do setor financeiro e, também, aos interesses dos setores sociais que beneficiaram-se diretamente com esse endividamento, constituindo ou reforçando empreendimentos graças a estes recursos.

O mesmo ocorreu no combate à especulação imobiliária. O governo trabalhou o tema como assunto de princípios e de legislação urbana. Ou seja, buscou estabelecer regras e limites para a especulação. Ao fazê-lo, da forma como o fez, também praticou importantes concessões pontuais para esta mesma especulação.

Estabelecer limites e fazer concessões era algo inevitável e determinado pela correlação de forças. Mas o governo tentou ir além disso e buscou estabelecer laços orgânicos de confiança com as entidades que organizam este setor na sociedade de Campinas. O mesmo ocorreu no caso dos concessionários de serviços públicos, do comércio formal e informal, o que –na ausência de uma política geral—muitas vezes gerou conflitos entre os interesses imediatos do governo e os interesses estratégicos do Partido.

Outro tema em que operamos em vôo cego, movidos por princípios genéricos e concessões tópicas, foi a nossa relação com os projetos de interesse do grande capital. Exemplos disso foram a política de tarifas da Sanasa; nossas relações geralmente subalternas com a CPFL; nossa relação com as empresas de telefonia; e, paradoxalmente, as poucas relações mantidas com o grande capital industrial instalado na cidade.

Em decorrência da ausência de uma análise de classes, "sub-politizamos" a disputa existente na sociedade de Campinas.

Noutras palavras: a ação do Partido e do governo se transformou, não numa batalha contra a hegemonia de um determinado setor social, mas sim uma batalha contra um determinado partido político ou candidato.

Nossa disputa não se travou contra os interesses da especulação imobiliária e financeira, mas sim contra o PSDB, mais exatamente contra o grupo de Carlos Sampaio, apontado como representante do projeto nacional antagônico ao nosso, da especulação imobiliária e do crime organizado.

Como este era o nosso alvo, para atingi-lo parecia valer inclusive uma aliança nossa - na Câmara Municipal, por exemplo - com políticos e partidos também representantes de projetos antagônicos ao nosso (como o PFL) e da especulação imobiliária (como o vereador Sebastião dos Santos).

Agindo assim, não colaboramos para criar outra hegemonia na sociedade de Campinas; agíamos como se fosse suficiente derrotar uma parcela do setor hegemônico.

O quadro nacional em que se deu a eleição de 2004, o enfraquecimento do partido, a ausência de estratégia coletiva e de política de comunicação, associados as alianças "horizontais" que praticamos, explicam a maneira pontual e desorganizada com que o Partido e o governo se colocaram frente as diversas organizações políticas existentes na sociedade de Campinas.

Para ser mais exato, o governo se concentrou em "organizar o terreno da disputa", convidando todos os setores sociais a se organizar em conselhos, a apresentar suas demandas, especialmente no Orçamento Participativo; sem que tivéssemos, o próprio Partido e/ou o Governo, propostas articuladas sobre o que fazer nestes conselhos e quais demandas defendíamos.

Ninguém duvida, por exemplo, da importância de controlarmos a presidência da Câmara Municipal. Mas quais concessões foram feitas para garantir a presidência e a maioria na Câmara, tanto na eleição de Romeu Santinni, quanto na eleição de Carlos Signorelli?

Qual foi a política de conjunto que propusemos aos movimentos populares, aos sindicatos e as entidades da juventude?

Como nos relacionamos com as igrejas, os partidos, os meios de comunicação e as entidades da chamada "sociedade civil"?

Qual foi nossa tática frente ao judiciário, ao governo estadual e ao governo federal (tanto sob FHC, quanto sob Lula)?

Olhando de conjunto, o governo não conseguiu impor sua pauta frente a estas organizações; geralmente, ocorria o contrário: corríamos atrás da pauta destes setores. O mais grave, entretanto, é que em geral não tivemos a capacidade de tentar impor nossa pauta.

Vários governos, várias prioridades

Isto, é claro, está relacionado aos erros estratégicos que citamos acima, ao qual acrescentamos o seguinte: o governo implementou muitas políticas públicas, mas fez isso sem planejamento e sem subordinar isto a uma estratégia política geral.

A ausência de planejamento talvez pudesse ser parcialmente contornada, se Toninho estivesse presente. Mas com a Prefeita tendo sua legitimidade questionada de maneira permanente, o planejamento estratégico tornou-se algo essencial.

Mas, apesar disso, não conseguimos estabelecer um planejamento estratégico para o governo. Isto está ligado a incapacidade coletiva do Partido, à incapacidade coletiva do conjunto do governo e, nesse contexto, à incapacidade da Secretaria de Governo.

É bom que se diga que esta incapacidade não decorre das características pessoais de cada um dos dirigentes envolvidos, mas sim da ausência de um núcleo dirigente, com uma estratégia clara e com capacidade hegemônica.

Evidente, teve um peso particular nisto a resistência oferecida, pela Prefeita, à criação e ao funcionamento adequados destas instâncias de governo, em particular sua resistência --por longo tempo-- à criação de um núcleo político, que fosse do conhecimento do governo e do Partido.

Portanto, quando falamos da falta de "planejamento", nos referimos a uma decorrência administrativa da falta de estratégia política.

A inexistência de planejamento fez o governo ser tensionado, de maneira permanente, por três lógicas:

a) a lógica do OP, que pretendia que o governo fosse organizado por uma meta central: cumprir as demandas das assembléias do orçamento participativo.

b) a lógica das secretarias, que pressionava o conjunto do governo para que transformasse em suas, as metas particulares de cada secretaria (o que foi mais forte no caso das secretarias com mais recursos, como a Saúde e a Educação);

c) a lógica do funcionalismo, que reduzia o ato de governar a ampliar salários e melhorar as condições de trabalho do corpo de servidores.

O peso que esta terceira “lógica” assumiu pode ser medido pelo peso da folha de pagamentos, pela quantidade de admissões realizadas, pelo plano de cargos e salários, pelas recomposições salariais e pelo impacto político das campanhas salariais (inclusive pelo slogan "Izalene é zero").

Um balanço completo do governo exigirá, por isso, debater em profundidade as posições explícitas e implíticas destes três "partidos" que --por cima dos partidos e das tendências partidárias-- disputaram diariamente os rumos do governo: o partido do OP, o partido do SUS e o partido do RH.

Reforma administrativa e a burocracia estatal

Há uma máxima repetida pela esquerda, segundo a qual o Estado burguês não foi feito para atender as demandas da classe trabalhadora.

É claro que esta assertiva diz respeito a estrutura central de Estado, muito mais complexa, e não somente a máquina administrativa e  sua burocracia, muito menos tão somente uma pequena parcela desse Estado.

Frente, porém, a uma pequena parcela desse Estado, sua máquina e burocracia, temos a obrigação de recorrer àquela máxima tantas vezes repetida, sob pena de assistirmos nossos projetos sendo dirigidos e administrados por esse mesmo Estado burguês.

Via de regra, a esquerda comete um equivoco fenomenal ao ignorar a relevância e importância das áreas consideradas "meios" na atual estrutura jurídica, legal e burocrática existente e implantada no Brasil.

Acredita que somente a nossa vontade e a relevância social e política de nossos projetos são suficientes para sua efetivação e implementação. Ledo, dramático e perigoso engano, aliás não subestimados pelos teóricos do socialismo, que alertam freqüentemente sobre os "perigos da burocracia", seja em um estado capitalista, seja em um estado socialista.

Em Campinas, ao assumirmos o governo, a situação da máquina administrativa era duplamente dramática, fruto de oito anos de governos anteriores, marcados pela absoluta inoperância e descaso com a coisa pública.

Apesar de seu 1 milhão de habitantes, Campinas possuía uma máquina pública anacrônica e incrivelmente desestruturada, seja do ponto de vista dos recursos --caracterizados pelas péssimas condições de trabalho, com pessoal insuficiente, via de regra mal treinados, despreparados e desmotivados, ausência de equipamentos de informática ou quando existiam, extremamente obsoletos, ausência de dados e informações sistematizadas, chegando até a ausência de móveis e cadeiras; seja do ponto de vista de sua estrutura administrativa -- inadequada e obsoleta, com procedimentos arcaicos, insuficientes e desconectada das necessidades para implementação de nosso programa.

Após quatro anos muito se fez, do ponto de vista dos recursos. Em termos de informática e mobiliário, atendemos uma boa parte das necessidades. Do ponto de vista do funcionalismo implantamos, ainda que tardiamente, um Plano de Carreiras, Cargos e Salários; reconstruímos o Instituto de Previdência do Servidor; iniciamos uma política de qualificação e treinamento de pessoal. Com relação à base de dados, sistematizamos uma parcela, ainda que pequena, das informações, porém deixamos de transformar e modificar o essencial: a estrutura administrativa e os procedimentos.

Se é verdade que o Estado existente não foi feito para atender aos interesses da classe trabalhadora, também é verdade que a engrenagem que o move também não foi feita para tanto.

Alterar esta engrenagem, mesmo que dentro dos estreitos limites jurídicos e institucionais existentes, é uma necessidade vital para a plena implementação de nosso projeto.

E neste ponto ficamos muito aquém do necessário. Com relação à estrutura administrativa, pouquíssimas alterações foram realizadas. Trabalhou-se quatro anos com praticamente a mesma estrutura dos governos anteriores, como se nossas metas, objetivos e políticas fossem as mesmas. O mesmo aconteceu com os procedimentos anacrônicos que, ou foram mantidos, ou substituídos por outros absolutamente descartáveis, desnecessários e burocráticos.

Fez-se, por exemplo, uma tentativa extremamente ineficaz de adoção de um sistema informatizado de gestão, que para diversos procedimentos mostrou-se um obstáculo maior que o sistema existente, seja pelas panes constantes, seja por sua concepção --baseada nos procedimentos anacrônicos anteriores, seja pela forma de sua implantação, abrupta e sem qualquer treinamento eficaz para seus usuários, o que gerou inúmeros travamentos da máquina administrativa, bem como um stress considerável aos funcionários.

Some-se a isso a péssima comunicação entre as secretarias-meio e os respectivos departamentos administrativos das outras secretarias (cuja dependência em relação às secretarias-meio é absolutamente vital, devido a estrutura existente na Prefeitura de Campinas); e mesmo entre as próprias secretarias-meio.

Na prática, a ausência de reformas profundas na estrutura e nos procedimentos gerou enormes atrasos em processos licitatórios ou até mesmo sua inviabilização; dificuldades de cobranças de dívidas; a impossibilidade do estabelecimento de prioridades, que acabavam sendo determinadas pela burocracia e/ou boa vontade dos funcionários de carreira, o que chegou a gerar uma espécie de rede de favores interna, onde sobressaiam-se as secretarias com funcionários melhor relacionados; a impossibilidade de resolver a bom termo o atendimento adequado à população, que foi obrigada a conviver –durante uma boa parte de nossa gestão-- com filas e desencontros de informações.

Some-se a tudo isto a postura de alguns secretários, que não tiveram a vontade política necessária à adoção de uma postura ofensivamente mais liberal com relação a legislação, permanecendo reféns das dificuldades impostas por procuradores inexperientes e/ou excessivamente conservadores, que freqüentemente impunham impedimentos e/ou enormes obstáculos, desde o encaminhamento de atos e procedimentos simples e corriqueiros a qualquer administração, até a implementação e consecução de medidas de maior relevância.

Devemos entender que o Estado como um todo e o Judiciário em particular, não são imparciais; a exigência da observância à legislação, feita a governos como o nosso, é consideravelmente superior em relação aos governos da burguesia; por outro lado a observância da legislação por parte de outros com relação a nós é sempre recheada de nuances.

Enquanto servidores públicos - dirigentes ou não - só podemos fazer o que a lei permite, diferente do restante da sociedade onde tudo é permitido desde que a lei não proíba. Considerando o volume de leis existentes, seu caráter burocrático, elitista e a dificuldade de sua aplicabilidade quando em benefício dos trabalhadores, há de se concluir que esses não são pontos menores ou irrelevantes quando da administração de um pedaço do Estado extremamente limitado na sua capacidade de alterar a legislação.

Longe de uma postura recuada perante esse quadro, devemos adotar uma postura de cautela ofensiva: cautela na capacidade de interpretação correta da legislação, ofensiva no tensionamento e interpretação limite dessa mesma legislação.

Tentativa de síntese
O governo democrático popular, gestão 2001-2004, foi o melhor governo que Campinas já teve e continuará sendo por um bom período. Foi um governo perfeito? Não, assim como nenhum foi ou será. Cometemos erros? Sim, inúmeros, mesmo assim fizemos o melhor governo que Campinas já teve.
Essa insistência não é apenas retórica. Mesmo considerando o patamar de abandono em que encontramos a cidade, mesmo considerando as dificuldades orçamentárias, a enorme dívida herdada, as dificuldades administrativas, nossos erros políticos e administrativos, nenhuma análise programática ou numérica em comparação com governos passados ou dos que virão é capaz de desmentir essa assertiva.
Os porquês desse sucesso são dificeis de avaliar. Um dos fatores é a consciência do grau de abandono em que se encontrava a cidade e o grau de desmonte da máquina pública, que de alguma forma nos convenceu de que estávamos obrigados a um esforço hérculo capaz de, em apenas quatro anos, superar as carências do passado e do presente, buscando zerar demandas o máximo possível.
É claro que não zeramos todas as demandas, mas trabalhou-se como se esse fosse o objetivo; por outro lado, há o efeito inverso dos ataques da direita sobre nós, ou seja, por mais que soubessemos que se tratavam de críticas infundadas, de desqualificações ordinárias, havia um sentimento de que nunca estava bom, sendo sempre necessário superar-nos a nós mesmos.
Quando da elaboração de planos e planejamentos, estabeleciam-se metas astronômicas, que ao serem confrontadas com a capacidade administrativa e financeira existente, mostravam-se inatingíveis, mas mantínhamos aquelas metas. Pode parecer pouco razoável em uma avaliação de governo, de conteúdo político-administrativo, debitar a fatores tão subjetivos o sucesso de uma administração, mas há momentos em que os acontecimentos ocorrem não por um planejamento perfeitamente elaborado e obedecido, também ocorrem a despeito de táticas e estratégias políticas definidas ou não, ocorrem quiçá pela vontade coletiva de um conjunto de companheiros cujo norte é uma sociedade mais justa, humana e igualitária, sem meias-palavras, uma sociedade socialista.
Há que se destacar que uma boa parte deste governo foi dirigido e conduzido por companheiros que não renegaram o socialismo enquanto objetivo estratégico; e isso não é um dado menor, ao termos esse objetivo estratégico comum e mais ousado do que outros, até mesmo dentro do partido, todos os objetivos a serem cumpridos na administração pareciam e estavam sempre aquém das tarefas necessárias, nem que fossem locais e restritas, mas capazes de gerar um acúmulo de forças na nossa luta pelo socialismo; daí que nossas metas eram astronômicas; daí que a despeito de nossa derrota eleitoral fomos vitoriosos na administração; daí que, mesmo golpeados por desqualificações ordinárias, continuávamos a fazer mais e mais; daí que não nos entregamos, nem a nós, nem o nosso programa, à direita reacionária da cidade; daí que nos recusamos a acordos espúrios com essa direita, daí que até o fim à enfrentamos; daí talvez também, por isso, tenhamos perdido a eleição; mas daí também que esse foi o melhor governo que Campinas já teve.

BALANÇO GERAL

O Partido dos Trabalhadores deve fazer um balanço profundo das eleições municipais de 2004. Cada direção municipal, cada diretório estadual, deve analisar os resultados obtidos, confrontando-os com a história e com os objetivos que o PT havia se proposto a alcançar, nessas eleições.

Neste balanço, devemos precisar qual a influência dos fatores estritamente municipais, locais, regionais; e qual a influência dos fatores nacionais, gerais.

O Partido dos Trabalhadores disputa eleições municipais desde 1982. Naquele ano, elegemos 2 prefeitos. Em 1985, elegemos a prefeita de Fortaleza. Em 1987, o prefeito de Vila Velha. Em 1988, vencemos em 36 importantes cidades, entre elas São Paulo, Vitória e Porto Alegre. Em 1996, elegemos 54 prefeitos/as. Em 1996, mais que dobramos, elegendo 115 prefeitos/as. Em 2000, elegemos 187 prefeitos/as. Em 2004, finalmente, elegemos 411 prefeitos e prefeitas.

O crescimento numérico foi acompanhado por uma expansão geográfica. Mesmo assim, está claro que – de 1988 até 2000 – a maior parte das prefeituras governadas pelo PT se concentrava na região sudeste e sul do país. Em 2000, por exemplo, esta região concentrava 131 prefeituras governadas pelo PT; enquanto o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste reuniam 56 prefeituras.

Quanto ao número de habitantes, a trajetória do PT mostra um crescimento constante nas cidades com até 50 mil habitantes (21 em 1988, 35 em 1992, 87 em 1996, 127 cidades em 2000). Mostra um crescimento mais modesto nas cidades acima de 50 mil e abaixo de 200 mil habitantes (6, 9, 19, 31 cidades, respectivamente).

O dado politicamente mais revelador, entretanto, é o relativo as cidades com mais de 200 mil habitantes. Em 1988 o PT elegeu 9 destas cidades; em 1992, elegeu 10; e, em 1996, elegeu novamente 9 com mais de 200 mil habitantes. Já em 2000, houve um salto: elegemos 29 cidades com mais de 200 mil habitantes, sinalizando a ascensão que levaria o PT a conquistar, em 2002, a presidência da República.

O quadro fica ainda mais claro se considerarmos a população total residente nas cidades governadas pelo PT:

1988: 14,9 milhões
1992: 8,3 milhões
1996: 7,9 milhões
2000: 28,8 milhões

A curva é clara: ascendente em 1988, inicia um descenso em 1992 e 1996 (anos de hegemonia neoliberal) e torna-se fortemente ascendente em 2000.

Portanto, a trajetória do PT em eleições municipais combina dois movimentos distintos, um constante, outro variável:

a)um deles, constante, é o do crescimento em número de prefeituras, vereadores, vices e eleitorado, mostrando que o Partido vai se capilarizando e se nacionalizando;

b)outro deles, variável, oscilando ao sabor da conjuntura nacional, é expresso no porte das cidades que governamos, no número de habitantes ou de eleitores que ali residem.

As eleições de 2004 apresentam, de maneira combinada, os dois movimentos: a continuidade do crescimento; e, ao mesmo tempo, uma oscilação negativa nas grandes cidades.

O crescimento fica claro quando olhamos os resultados quantitativos em geral, sem distinguir o porte das cidades: os números absolutos de 2004 mostram que o Partido ampliou o seu número de eleitores, o número de prefeitos/as e vereadores.

O PT foi o partido mais votado, tanto no primeiro (16,3 milhões de votos) quanto no segundo turno (6,9 milhões de votos).

Em 2000, o PT ficou em quarto lugar, entre os votos válidos, atrás do PSDB, PMDB e PFL. Já em 2004, o PT ficou em primeiro lugar entre os votos válidos (17,2%), superando o PSDB (16,5%), o PMDB (15%) e o PFL (11,8%).

Elegemos 411 prefeitos/as, contra 187 eleitos em 2000 (um crescimento relativo de 120%, superado apenas pelo PCdoB e pelo PV, que entretanto elegeram 10 e 56 prefeituras, respectivamente).

Crescemos, também, em número de vereadores: 118 em 1982; 900 em 1988; 1.100 em 1992; 1.895 em 1996; 2.485 em 2000; 3.679 vereadores eleitos em 2004, num total de 10.431.085 votos ou 10,7% do total de votos válidos para vereador em todo o país, o que nos permitiu eleger 7,1% do total de vereadores existentes no Brasil.

Somos, portanto, o terceiro partido mais votado para vereador (atrás do PMDB e do PSDB), quando em 2000 éramos o quinto partido mais votado.

Os 3.679 vereadores eleitos pelo PT estão presentes em 2345 municípios (42% do território brasileiro), um número bastante superior ao de 2000 (quando elegemos vereadores em 1482 municípios).

Para produzir este resultado eleitoral, o PT lançou candidatos em cerca de 5 mil municípios, elegendo 411 prefeitos, 312 vice-prefeitos e apoiando 937 chapas majoritárias vencedoras. Ao todo, o PT participará de 1.660 governos municipais ou 30% dos municípios brasileiros.

Em resumo: quando olhamos os resultados quantitativos em geral, sem distinguir o porte das cidades, constatamos que o PT obteve em 2004 mais uma vitória eleitoral: ampliamos o número de eleitores, o número de prefeitos/as, o número de vices-prefeitos/as e de vereadores.

Mas quando olhamos o resultado do ponto de vista qualitativo, ou seja, quando observamos não apenas os números gerais da eleição, mas também o resultado alcançado nas cidades mais importantes, constatamos que o PT sofreu um revés nas eleições de 2004.

Se considerarmos, por exemplo, o número de eleitores residentes nas cidades governadas pelo PT, em 2000 e 2004, vemos o seguinte:

2000: 21,5 milhões
2004: 17 milhões

Se analisarmos estes números, mais aqueles citados anteriormente, temos uma curva bastante clara: ascendente até 1988, inicia um descenso em 1992 e 1996 (anos de hegemonia neoliberal), torna-se fortemente ascendente em 2000 e inflete para baixo em 2004.

Alguns setores do Partido buscam relativizar esta inflexão. Lembram que o PT elegeu 23 das 96 maiores cidades brasileiras (12 no primeiro turno, 11 no segundo turno), governando 9 capitais.

Outro argumento utilizado para dizer que não sofremos uma inflexão em 2004 é o número de capitais em que fomos vitoriosos: 6 em 2000 e 9 em 2004.

Acontece que o peso político das capitais em que o PT foi vitorioso em 2000 era maior do que o peso político das capitais em que vencemos no ano de 2004. As derrotas em Porto Alegre, São Paulo, Belém e Goiânia não são compensadas pelas novas vitórias em Fortaleza, Vitória, Porto Velho, Palmas etc.

É claro, entretanto, que temos o que comemorar nas eleições de 2004. Além do que foi dito anteriormente, citamos ainda: a reeleição de 44% de nossas prefeituras, inclusive nas capitais de Recife, Aracaju e Belo Horizonte; o crescimento de nossa votação popular, em cidades como São Paulo; a ampliação da presença partidária, no norte, nordeste e centro-oeste; os resultados em Fortaleza e em Vitória (bem como em Cariacica).

Mas não há como desconhecer o seguinte: o PT não atingiu seu objetivo central nas eleições de 2004 – objetivo estabelecido em seguidas reuniões do Diretório e da Executiva Nacional –, que era o de deslocar para a esquerda a correlação de forças do país.

Noutras palavras, tratava-se de dar continuidade ao que se viu nas eleições de 2000 e 2002, preparando o terreno para uma nova vitória em 2006.

Esse objetivo não foi atingido. Pelo contrário, foi a direita que teve sucesso, bloqueando e revertendo aquela tendência que vinha de 2000/2002, enfraquecendo nossas chances de vitória em 2006.

Esta derrota é mais evidente em dois estados.

É evidente no estado de São Paulo, onde perdemos cidades estratégicas, como São Paulo, Ribeirão Preto, Piracicaba, Campinas e Santos; onde tivemos desempenhos ruins em cidades como São Bernardo do Campo; e onde ganhamos por pouco, como em Diadema.

E é evidente, também, no estado do Rio Grande do Sul, onde perdemos cidades igualmente estratégicas, como Porto Alegre, Pelotas e Caxias do Sul.

As eleições de 2004, portanto, acenderam um sinal amarelo para a esquerda e um sinal verde para a direita, que já fala abertamente em abandonar a estratégia de “contenção” (conviver e cooptar o governo Lula) e passar para a estratégia de “aniquilação” (derrotar o PT e o governo Lula).

É por isso que achamos necessário reconhecer que o PT sofreu uma derrota política em 2004. Derrota que nós, da Articulação de Esquerda, já havíamos percebido estar em curso (ver a esse respeito a avaliação feita pela direção nacional da tendência, no dia 15 de outubro).

Fomos derrotados, o PT foi derrotado nas eleições de 2004, porque as eleições mostraram existir uma reversão na tendência popular que nos levou à vitórias importantes em 2000 e à presidência da República, em 2002.

Se esta reversão não for detida, podemos colher uma derrota política e eleitoral em 2006.

Portanto, determinar as causas da derrota política que sofremos em 2004 é algo essencial.

Alguns setores do Partido acham que não houve uma derrota política. Pelo contrário, falam em vitória eleitoral. Outros reconhecem que tenha havido derrota, mas argumentam que não há uma única explicação, mas sim um conjunto de explicações, particulares e não generalizáveis.

Evidente que – numa eleição municipal – há causas locais e regionais que devem ser consideradas. Por outro lado, as causas nacionais influenciam diferentemente cada situação específica. É isto que explica o fato de termos obtido, ao mesmo tempo, numa mesma conjuntura nacional, vitórias e derrotas importantes.

É compreensível que vários setores do Partido resistam a debater em profundidade as causas de nossa derrota. Por isso mesmo, talvez seja útil inverter a questão e responder ao seguinte: porque a direita conseguiu uma vitória política nas eleições de 2004, criando um cenário mais favorável para ela disputar as eleições gerais de 2006?

Em nosso entender, há três razões fundamentais que explicam a vitória obtida pela direita.

A primeira dessas razões foi a unidade da burguesia, já no primeiro turno, mas principalmente no segundo turno.

É evidente que há setores do empresariado e das instituições que expressam seus interesses (os meios de comunicação, a justiça eleitoral, os governos estaduais etc) que apoiaram candidaturas de esquerda ou que se dispersaram em várias candidaturas de centro-direita no primeiro turno.

Esta dispersão e o apoio à candidaturas de esquerda, entretanto, não constituem novidade. Em 2002, por exemplo, parcelas expressivas do empresariado apoiaram ou ficaram neutras frente a candidatura Lula.

A novidade, em 2004, é uma reaglutinação do conservadorismo e do empresariado, em torno de uma tática anti-petista, que teve no PSDB o seu “comitê central”, principal beneficiário, político e eleitoral.

Importante lembrar que, ao mesmo tempo em que o PSDB era o núcleo da campanha anti-petista, setores importantes do PT defendiam uma aproximação estratégica com os tucanos. O presidente da República chegou a falar de fusão entre os dois partidos; já o prefeito reeleito de Belo Horizonte e o ministro Tarso Genro, de ângulos diferentes, enalteceram – mesmo depois do segundo turno – uma suposta “modernidade” tucana.

A participação do empresariado nas campanhas petistas, embora relevante, se deu em escala menor do que o divulgado, compatível com o peso do Partido, sem o caráter orgânico que teve no caso da direita e com uma relativamente pequena participação do capital financeiro (pequena, se considerarmos que é o setor econômico mais beneficiado pela política do governo federal).

Abre parênteses: É importante dizer que o Partido precisa rever radicalmente suas políticas de financiamento. Não é possível esconder as repercussões ideológicas e políticas negativas do financiamento privado de campanhas. Casos como o de Waldomiro Diniz e Rogério Buratti precisam ser debatidos de maneira franca dentro do PT, que precisa tomar medidas duras contra as tentativas de transformar o partido e governos que ocupamos em “escada” para práticas corruptas. Fecha parênteses.

Retornando ao comportamento da burguesia no processo eleitoral: as figuras mais notórias da direita brasileira (ACM, Sarney), mesmo quando aparentemente "apoiadas" pelo Planalto, se enfrentaram com candidaturas petistas (como ocorreu em Salvador e Imperatriz).

É importante ressaltar estes fatos, pois eles demonstram que – ao contrário do que sugere a ultra-esquerda e apesar da política implementada pelo governo federal (ou, quem sabe, para garantir a sua continuidade) – o grande capital opera consciente e deliberadamente para derrotar o PT.

Paradoxalmente, portanto, apesar da política econômica adotada pelo governo federal, a burguesia não teve dúvidas em concentrar suas energias contra o PT, seja para evitar que um fortalecimento do Partido gerasse ânimo para uma “esquerdização” do governo; seja porque a burguesia não pretende terceirizar a aplicação de suas políticas.

Como reconheceu, recentemente, um dirigente da ala moderada do PT: “a elite que elogia a política econômica é a mesma que operou para derrotar o Partido nas eleições”.

A segunda razão que explica a vitória política da direita nas eleições de 2004 é a redução no ânimo da classe trabalhadora, mais exatamente dos seus setores organizados.

Esta redução no ânimo, no entusiasmo, reduziu o caráter militante das campanhas eleitorais, especialmente no primeiro turno. Nosso desempenho nas regiões de concentração operária, especialmente no ABC, deve ser visto como um sinal de alerta nesse sentido.

No caso de algumas categorias – como bancários, servidores públicos, professores universitários – houve mais do que uma redução no ânimo: houve hostilidade aberta, que pode ter se transformado inclusive em abstenção, voto nulo, branco ou até mesmo voto em candidaturas de centro-direita.

É provável que a atitude do governo federal frente a greve dos bancários, por exemplo, tenha tido fortes repercussões eleitorais ali onde a disputa foi apertada.

Apesar disso, de maneira geral não houve deslocamentos em direção ao PCdoB ou ao PSTU, nem tampouco em direção às candidaturas apoiadas pelo PSOL. Fracassou a tentativa de construir uma alternativa eleitoral à esquerda do PT. O que confirma uma opinião que temos defendido, desde o final de 2002: nas atuais condições históricas, não existe alternativa (eleitoral ou não) à esquerda ao governo Lula e ao PT. Ou o próprio governo Lula e o PT giram para a esquerda, ou será a direita quem colherá os frutos da decepção popular.

A falta de ânimo dos setores organizados ajudou a gerar aquilo que os analistas têm denominado de “deslocamento da classe média para a direita”.

O que são as “classes médias”? De maneira geral, o que chamamos de classes ou setores médios compõem um setor social integrado pelo estrato inferior da burguesia e pelo estrato superior da classe trabalhadora.

Noutras palavras: pequenos proprietários urbanos, trabalhadores com salários superiores à média e/ou ocupando funções de gerência etc.

Esses setores constituem uma importante força política e eleitoral, cujo comportamento sempre foi historicamente flutuante.

Estes setores médios apoiaram FHC e o Real em 1994, começaram a se decepcionar em 1998, se deslocaram para o PT e Lula em 2000 e 2002 e, agora, começam a voltar em direção ao PSDB e à oposição anti-petista.

Há vários motivos que explicam esse deslocamento para a direita, por exemplo, a unidade da burguesia e o desânimo dos setores organizados da classe trabalhadora.

Mas o principal motivo – que explica inclusive os dois outros, já citados – é a decepção com as políticas implementadas pelo governo federal.

Num resumo grosseiro, os setores médios percebem a política do governo federal da seguinte forma: tirar dos remediados, para distribuir aos pobres, sem tocar nos ricos.

Esta percepção gera uma forte crítica ao governo federal, em alguns casos “de esquerda”, mas geralmente de direita.

(Importante dizer que, caso nosso governo federal estivesse com uma política claramente voltada a derrotar o setor financeiro, isso não garantiria o apoio dos setores médios. O exemplo do Chile, no governo da Unidade Popular; e o exemplo da Venezuela, no governo Chavez, mostram que a direita e o grande capital têm forte influência sobre os setores médios. Mas, nesse caso, como também mostra a Venezuela, seria possível ter um apoio mais sólido junto aos setores populares e a militância de esquerda.)

Evidente que nossa presença no governo federal também repercutiu positivamente na campanha eleitoral, ajudando a explicar nosso crescimento em algumas regiões e camadas sociais. Mas o efeito sobre os trabalhadores organizados e os chamados “setores médios” foi principalmente negativo.

Esta é a terceira razão, portanto, da vitória política da direita nas eleições de 2004: o deslocamento, para a direita, dos chamados setores médios.

É importante dizer que a direita organizou, preparou, planejou esta vitória.

Contrariando os setores moderados do PT, que pensavam que uma política econômica moderada neutralizaria a direita; e ao contrário do que pensa a ultra-esquerda, para quem o governo Lula é “o governo do capital”, a direita brasileira organizou, desde o início de 2003, a vitória que obteve agora.

Vale a pena analisar os principais aspectos deste processo.

No início de 2003 e até agora, o governo Lula deu continuidade a aspectos essenciais da política econômica do governo tucano.

Alguns setores do PT pensaram que isto teria “tirado o discurso” da direita. Na verdade, isto parece ter “tirado o discurso” da esquerda, ao menos no que toca ao debate programático.

Ao retirar de cena o debate sobre o neoliberalismo, o debate sobre o projeto nacional, o confronto político-ideológico entre petismo e tucanato, o governo Lula preparou um terreno favorável à vitória da centro-direita.

Primeiro, livrando-os do debate sobre a “herança maldita”.

Segundo, gerando contradições entre nosso governo e nossa base social.

Terceiro, tirando do PT e da esquerda a condição de “portadores da mudança”.

Quarto, pasteurizando o debate político, que foi remetido a temas “municipais”, “locais”, “gerenciais” (quando todos sabemos que estas questões são fortemente limitadas pelas macro-políticas nacionais).

Os partidos de direita não tinham interesse em contestar a política econômica implementada pelo governo federal, seja porque concordam com ela, seja porque estamos num daqueles momentos em que uma política econômica globalmente negativa gera alguns efeitos positivos de curto prazo.

Algo que ocorreu sob o governo FHC e que pode voltar a ocorrer sob o governo Lula, hipótese que leva setores do PSDB a tratar com cautela suas perspectivas eleitorais em 2006, apesar das vitórias obtidas em 2004.

Os partidos de esquerda que apóiam o governo Lula, por sua vez, também não tinham interesse em contestar a política econômica do governo federal, seja pelos mesmos motivos da direita; seja porque se avaliou que isto seria eleitoralmente contraproducente; seja para não ter que “justificar” (ou questionar) a postura do governo em temas como a taxa de juros, o pequeno reajuste do salário mínimo e a reforma da previdência.

O fato do debate macro-econômico ter perdido peso na campanha eleitoral de 2004, impediu que o trabalho realizado em 2000 e 2002, de contestação ao neoliberalismo, tivesse continuidade.

Isso prejudicou o PT e fortaleceu principalmente o PSDB. E fez com que, em muitas cidades, o debate fosse concentrado nas políticas locais, como se não houvesse conexão entre a ampliação dos serviços públicos, a segurança e o desemprego, com o predomínio dos interesses do capital financeiro na economia nacional.

Sem ter a necessidade de enfrentar o PT no debate grande programático, a centro-direita deslocou sua crítica para outro terreno: o da política.

Nesse terreno, concentrou seu ataque em três críticas principais: o da democracia, o da ética e o da eficiência gerencial.

Já tratamos, na resolução aprovada pela direção nacional da AE em março de 2004, da questão ética.

Sobre isso, portanto, só queremos acrescentar que algumas das alianças praticadas na eleição de 2004, por exemplo, com Paulo Maluf, forneceram excelentes argumentos adicionais para os ataques hipócritas que a centro-direita faz contra nós – ataques feitos muitas vezes por gente que, em pleno século XXI, mantém de maneira generalizada a compra de votos; ou que ressuscitou, durante a campanha, um padrão anti-comunista que só encontra paralelo próximo no “nível” da campanha collorida de 1989.

De maneira geral, a transposição – para o Partido dos Trabalhadores — da política de alianças adotada na base de sustentação do federal, criou mais problemas políticos do que benefícios eleitorais.

A diretriz partidária para as eleições de 2004 estabelecia que nosso objetivo principal era deslocar a correlação de forças do país para a esquerda, o que deveria se traduzir em vitórias do PT e de seus aliados do campo democrático e popular.

Mas a diretriz realmente implementada pelo setor moderado do PT foi bem mais “ampla”. Na política de alianças, tentou transpor, para o PT, a política de alianças adotada no governo federal; estimulou, consciente ou inconscientemente, a ilusão de que haveria recursos abundantes, vindos do empresariado, para financiar nossas campanhas; adotou uma postura politicamente dúbia do governo federal; e aprofundou, em algumas regiões, uma forma empresarial de fazer campanha.

Em Fortaleza, o PT tinha candidatura própria, mas uma parte de nossos ministros, parlamentares e dirigentes nacionais apoiaram a candidatura de um aliado de esquerda.

Em Porto Alegre, o principal oponente de nossa candidatura era integrante de um partido da base de apoio do governo Lula.

Em Salvador, o candidato do PT não conseguia gravar uma declaração de apoio do presidente da República, mas o candidato do PFL carlista conseguiu uma “cena” (no sentido português e espanhol da palavra) com o presidente.

Em São Paulo, nossa candidatura tropeçou na relação com os partidos da base aliada, no primeiro turno e no segundo turno, com destaque para o desastrado “apoio” de Paulo Maluf.

No Rio de Janeiro, nossa candidatura tentava competir com o favoritismo de César Maia, que por sua vez era tratado como aliado prioritário em Niterói e Nova Iguaçú.

Esta confusão prejudicou principalmente o PT, primeiro porque em vários locais nos jogou na vala comum dos partidos tradicionais, com suas alianças movidas por interesses locais e regionais, em detrimento de projetos nacionais; segundo, porque facilitou a operação de nivelamento programático levada a cabo por vários de nossos opositores (em Campinas, como em Porto Alegre, por exemplo, os partidos antagônicos ao PT mimetizavam muitas das propostas apresentadas pelo Partido).

O caso do Rio de Janeiro é o mais ilustrativo dos efeitos de uma política de alianças sem princípio: depois de traumatizar o PT carioca, obrigando-o a fazer uma aliança com o PDT de Garotinho, chega-se ao extremo oposto, construindo uma política de alianças com todos os setores, tendo como único objetivo derrotar o PMDB... de Garotinho.

Neste contexto, não admira que o desempenho do PT tenha sido pífio na capital do Rio, tendo a comemorar a derrota de Garotinho (junto com a vitória de César Maia), assim como antes se tinha a comemorar a vitória de Garotinho (junto com a derrota da direita tradicional).

Os efeitos negativos da política econômica e a política de alianças adotada pelo Partido contribuíram, ademais, para fazer recuar a militância partidária. Em algumas cidades, esse recuo não foi visto, pelo menos de início, como um enorme problema estratégico; e, no lugar da campanha militante, adotaram-se métodos empresariais de disputar eleição, o que também foi apontado pela direita como “desvio ético” do PT: o uso de “militância paga”.

Quanto a questão da eficiência gerencial, trataremos mais adiante, quando falarmos do balanço setorial da atuação do governo Lula. Mas é evidente que os problemas administrativos e gerenciais do governo federal tem ligação direta com problemas políticos e estratégicos.

Sobre a questão da democracia, a pauta da centro-direita foi resumida por Fernando Henrique Cardoso e por José Artur Giannotti. Em artigo e entrevista para a Folha de S.Paulo, ambos sustentaram que a vitória do PT seria uma ameaça à democracia.

A tese implícita é a seguinte: o PT já tem “poder demais”, como se a verdade não fosse outra, como se a verdade não fosse que a imensa maioria do poder, no Brasil, segue nas mãos de quem sempre o teve.

O desdobramento da lógica de FHC/Giannotti é a seguinte: o PT pode ganhar as eleições, mas não pode indicar seus quadros para compor o governo; pode indicar os Ministros da Cultura e da Comunicação, mas não pode impor limites ao monopólio da mídia e à indústria cultural; pode indicar o ministro da Defesa, mas não pode demitir os gorilas da direita; pode indicar a ministra do Meio-Ambiente, mas não pode bloquear os transgênicos; pode ter o ministro da Fazenda, desde que a política ali implementada seja tucana; pode ter o presidente da República, mas não pode governar o país.

O ataque da direita contra o PT repercutiu fortemente nos setores médios, lembrando muito a tática adotada pela direita contra o governo Chavez.

Aqui como lá, a crítica da direita contra o PT tem um forte conteúdo “anti-pobre”. E, como nos Estados Unidos, parte dos pobres e dos setores médios acaba apoiando a centro-direita, a mesmo centro-direita que foi responsável pelas políticas neoliberais que prejudicaram socialmente a classe média e os pobres.

A centro-direita teve sucesso nas eleições de 2004. Construiu uma tática política e um discurso ideológico, reaglutinou suas forças sociais, recuperou importantes setores médios e populares, conquistou aparatos políticos importantes (como as prefeituras de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, combinadas com o controle dos respectivos governos estaduais). E pode vir a contar, em 2006, com dois outros suportes: o governo norte-americano, reeleito; e a possível existência do PSOL, como desaguadouro eleitoral da insatisfação com o PT.

Se o resultado eleitoral confirmou o PT e o PSDB como pólos da política brasileira (algo que não é novidade, pois já se havia verificado em 1994, 1998 e 2002), manteve também um “centro” muito forte, que não acompanhou o PT na maioria das disputas municipais e, portanto, pode ser o fiel da balança nas eleições de 2006.

Boa parte deste “centro” integra a base de apoio do governo federal. Entretanto, convém não se iludir com os resultados obtidos pelos partidos da “base de apoio”. Pois, dependendo da evolução política do país, estes partidos podem constituir uma terceira via ou apoiar uma candidatura tucana em 2006. Neste sentido, a derrota política do PT, em 2004, pode se transformar em derrota eleitoral (e política) do governo federal em 2006.

Nesse contexto, como impedir que a vitória (tucana) em 2004 se transforme na ante-sala da derrota (petista) em 2006? Essa é a principal questão que deve ser debatida pelo PT, nos próximos meses.

A principal resposta para esta questão está, em nossa opinião, numa mudança na política econômica do governo federal.


Articulação de Esquerda

4 de dezembro de 2004